Visitantes online: 1328
logo topo

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

25/11/2017

12:10

Nota oficial da família Garotinho

A família do ex-governador Anthony Garotinho repudia veementemente as insinuações da Seap de que Garotinho teria se autolesionado, usando isso como pretexto para lhe impor “punições”.

A Seap alega que as imagens do circuito interno de TV não detectaram ninguém entrando na cela para agredir o ex-governador, mas essas mesmas câmeras também não flagraram inúmeras irregularidades que beneficiaram o grupo de Sérgio Cabral.

Cadê as imagens de entrada no presídio de home theater? Ninguém viu? Cadê as imagens da entrada de alimentos como camarão e produtos importados entregues por fornecedores? Ou pior: onde estão as imagens do uso frequente de celular por políticos do grupo do Cabral que estão presos ali? Ninguém viu também. E em nenhuma dessas ocasiões vimos nenhum tipo de punição. Será que alguém do sistema prisional está sendo conivente com as regalias de Cabral e sua turma?

É necessário que haja apuração séria e isenta das filmagens envolvendo a agressão a Garotinho. Afinal, é possível afirmar categoricamente que nada aconteceu no intervalo de duas horas em que não houve filmagens até Garotinho ser visto chamando os guardas?

Por fim, a família vem a público manifestar a sua indignação com esse episódio e com toda a injustiça. E mais uma vez perguntar: onde estão a mansão, a fazenda, as contas no exterior de Garotinho e Rosinha? Nossa família não enriqueceu na política.

Postado pela Equipe Garotinho

25/11/2017

11:52

Nota de Esclarecimento

A imprensa noticiou a vistoria feita no presídio de Benfica, revelando que foram encontrados diversos alimentos proibidos pelo sistema penitenciário nas celas de Sérgio Cabral e de outros presos. No caso de Rosinha todos os seus pertences também foram fiscalizados pela Seap, nada tendo sido encontrado de irregular. A ex-governadora deu uma lista para o seu advogado, Carlos Azeredo, do que seria permitido, e os familiares providenciaram o que foi necessário.

Postado pela Equipe Garotinho

24/11/2017

11:54

Inimigos de Garotinho espalham notícias falsas para jogar população contra sua família

Uma campanha sórdida de difamação está sendo feita na internet, nas redes sociais e no whatsapp, espalhando notícias falsas, até absurdas, com o objetivo de enlamear o nome de Garotinho e para enganar as pessoas, levando-as a achar que ele é igual a Sérgio Cabral. Na verdade não há qualquer acusação de enriquecimento ilícito ou de aumento de patrimônio contra Garotinho ou Rosinha.

Um exemplo é essa notícia aí de cima, que afirma que Garotinho teria uma verdadeira fortuna em ouro. A leviandade e a covardia são tão grandes que esse site, que será processado, afirma que numa casa em Trancoso, na Bahia, Garotinho teria enterrado um enorme cofre com 380 quilos de barras de ouro, avaliadas em mais de R$ 50 milhões.

Por isso fiquem atentos às mentiras que estão sendo espalhadas covardemente contra Garotinho e Rosinha e, vocês os conhecem, não deixem de as rebater.

Postado pela Equipe Garotinho

23/11/2017

18:50

Clarissa Garotinho pede proteção para Garotinho

Reprodução do Facebook
Reprodução do Facebook

Postado pela Equipe Garotinho

23/11/2017

17:28

SBT: Lava Jato se aproxima do Judiciário



Postado pela Equipe Garotinho

23/11/2017

16:13

Exclusivo! Garotinho vai revelar verdadeiro motivo de sua prisão assim que for solto

Diferente daquilo que vem sendo noticiado, Garotinho e Rosinha não estão sendo acusados de desviar dinheiro público. As acusações, embora falsas, têm dois objetivos.

O primeiro é tentar igualá-los à quadrilha do ex-governador Sérgio Cabral, que foi denunciada por Garotinho ao Ministério Público Federal. Para isso se utilizam de parte da banda podre do Ministério Público e da Justiça Eleitoral.

O segundo motivo é que a Globo vem sendo alvo de várias reportagens do escândalo conhecido como Fifagate, onde a emissora é acusada foi acusada de pagar propina para transmitir jogos da Copa do Mundo, Taça Libertadores da América e Campeonato Sul Americano. As investigações do Departamento de Justiça dos Estados Unidos estão chegando cada vez mais próximo da família Marinho, que segundo o delator Burzaco, pagou propina através de paraísos fiscais, como Garotinho vem denunciando

Por isso querem calar a sua voz e igualá-lo aos corruptos que ele denunciou. É preciso deixar claro:

1 – A prisão de Garotinho e Rosinha não tem nada a ver com a Lava Jato, muito menos com desvio de dinheiro público.

2 – A decisão é assinada pelo juiz Glaucenir Oliveira, o mesmo que ao transferi-lo do hospital sem autorização médica poderia ter provocado sua morte; este mesmo juiz responde processos movidos por Garotinho, razão pela qual não poderia ter proferido a decisão.

3 – O processo está instruído pelo promotor Leandro Manhães, que é acusado por Garotinho de participar de organização criminosa.

4 - A afirmação da delação é totalmente inverídica. A doação consta da prestação de contas de Garotinho na campanha ao Governo do Estado, que foi devidamente aprovada pelo TRE, e teve origem numa doação feita ao Diretório Nacional, que repassou o valor à campanha estadual.

5 – O referido delator é hoje o empreiteiro que mais recebe verba do município de Campos, conforme pode ser verificado no Portal da Transparência. A empresa Working, de propriedade do senhor André, foi a que mais recebeu dinheiro do município de Campos, que é governado por Rafael Diniz, inimigo de Garotinho.

6 – Em momento algum Ricardo Saud afirmou no depoimento da PGR que pagou qualquer vantagem a Garotinho, Rosinha ou qualquer pessoa que falasse em nome deles.

Aguardem que a revelação será bombástica e abalará o Judiciário brasileiro.

Nota passada pela defesa de Garotinho e Rosinha

Postado pela Equipe Garotinho


23/11/2017

13:30

Uma questão sobre a prisão

Reprodução do blog O Cafezinho
Reprodução do blog O Cafezinho

Postado pela Equipe Garotinho

23/11/2017

09:24

Denunciado por Garotinho, Régis Fichtner é preso no Rio

Reprodução do UOL
Reprodução do UOL

Régis Fichtner e o empresário George Sadala foram denunciados por Garotinho na notícia-crime entregue à Procuradoria Geral da República.

(Postado pela Equipe Garotinho)

23/11/2017

09:17

NOTA OFICIAL

Os ex-governadores Anthony Garotinho e Rosinha Garotinho atribuem suas prisões a mais um capítulo da perseguição que vêm sofrendo desde que o ex-governador denunciou o esquema do governo Cabral e do desembargador Luiz Zveiter.

Não por acaso é Glaucenir de Oliveira quem assina os pedidos de prisão, o mesmo juiz que decretou a primeira prisão de Garotinho no ano passado, após este ter denunciado Zveiter à Procuradoria Geral da República.

Anthony Garotinho afirma ainda que nem ele nem nenhum dos acusados cometeu crime algum e, conforme dissera em seu programa de rádio, chegou a ser alertado por um agente penitenciário a respeito de uma reunião entre Sergio Cabral e Jorge Picciani no presídio de Benfica, na qual o presidente da Alerj teria afirmado que iria dar um tiro na cara de Garotinho.

A perseguição é tão evidente que a ordem de prisão de Glaucenir foi no sentido de que Garotinho fosse conduzido para o presídio de Benfica, onde estão políticos cujos crimes só vieram à tona por causa das denúncias do ex-governador.

(Postado pela Equipe Garotinho)

22/11/2017

17:57

Clarissa Garotinho faz apelo pela segurança de Garotinho

Como a transmissão não gerou código para incorporação do vídeo direto no blog, cliquem no link abaixo para assistir o live de Clarissa no Facebook.

Clique para assistir o live de Clarissa Garotinho

Postado por Equipe Garotinho



22/11/2017

09:51

Querem calar o Garotinho mais uma vez

Nota oficial

O ex-governador Anthony Garotinho atribui a operação de hoje a mais um capítulo da perseguição que vem sofrendo desde que denunciou o esquema do governo Cabral na Assembleia Legislativa e as irregularidades praticadas pelo desembargador Luiz Zveiter.

O ex-governador afirma que tanto isso é verdade que quem assina o seu pedido de prisão é o juiz Glaucenir de Oliveira, o mesmo que decretou a primeira prisão de Garotinho, no ano passado, logo após ele ter denunciado Zveiter à Procuradoria Geral da República.

Garotinho afirma ainda que nem ele nem nenhum dos acusados cometeu crime algum e, conforme disse ontem no seu programa de rádio, foi alertado por um agente penitenciário a respeito de uma reunião entre Sergio Cabral e Jorge Picciani, durante a primeira prisão do deputado em Benfica. Na ocasião, o presidente da Alerj teria afirmado que iria dar um tiro na cara de Garotinho.

Agora, a ordem de prisão do juiz Glaucenir é para que Garotinho vá com sua esposa para Benfica, justamente onde estão os presos da Lava Jato.

Cabe frisar que essa a operação à qual Garotinho e Rosinha respondem não tem relação alguma com a Lava Jato.

Assessoria de Garotinho e Rosinha

21/11/2017

17:44

Justiça Federal decide: Quadrilha de deputados do PMDB volta para a cadeia

Conforme havia previsto desde o dia da votação na Alerj, e repeti hoje pela manhã nos meus programas Fala Garotinho (Tupi) e Encontro Marcado (Facebook), por unanimidade, o TRF-2 determinou que os deputados Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB, fossem conduzidos novamente para o presídio de Benfica. Os três já se entregaram à Polícia Federal depois de terem sido soltos na última sexta-feira. Segundo o procurador do MPF, Carlos Aguiar para deixarem a cadeia eles terão que recorrer ao Superior Tribunal de Justiça ou ao Supremo Tribunal Federal: “Não cabe mais à ALERJ se pronunciar mais sobre esse aspecto”.

Aliás, durante a sessão do TRF-2 de hoje o relator, desembargador Abel Gomes pediu que o processo seja encaminhado ao presidente do Tribunal Regional Federal, desembargador André Fontes, e que, em caso de desobediência da Alerj seja pedido a intervenção federal no Rio de Janeiro. Segundo a denúncia do MPF, só da Fetranspor de 2010 a 2017, Jorge Picciani recebeu R$ 77 milhões em propina; Paulo Melo, R$ 54 milhões, a maior parte quando foi presidente da Alerj; e Edson Albertassi, R$ 3,7 milhões.

Como falamos e mostramos na peça integral do MPF, publicada ontem no nosso blog, as provas são incontestáveis, numerosas e sólidas, e devem ser ampliadas com a continuidade das investigações. A Assembleia Legislativa tornou-se uma fábrica de leis para favorecer empresários de ônibus e outros setores que estão sendo identificados (alguns já mapeados) que trouxeram prejuízo já contabilizado de R$ 183 bilhões ao estado, entre 2008 e 2016.

Os erros cometidos pela Alerj

Independente da prática de corrupção, na minha opinião provada nas acusações do Ministério Público Federal, vários erros formais foram cometidos pela Assembleia Legislativa a fim de libertar os deputados estaduais.

1 – O artigo 53, parágrafo 2º, da Constituição Federal trata somente do foro de senadores e deputados, expressamente dito na lei como “membros do Congresso Nacional”. Portanto a extensão da medida a deputados estaduais não encontra amparo constitucional. Embora a Constituição Estadual tenha recepcionado a lei federal. O assunto não encontra amparo em quem deve julgar a questão, o STF.

2 – Houve, conforme relatei desde o dia do acontecimento, uma usurpação de poder por parte da Alerj. Jamais os deputados poderiam ter sido soltos sem um alvará expedido por um desembargador federal. A Assembleia Legislativa expediu um documento e a Secretaria de Administração Penitenciária, inexplicavelmente, não se sabe até agora com ordem de quem, autorizou a saída dos deputados do presídio num carro oficial da Alerj, o mesmo que levou o comunicado. Cabe, inclusive, uma investigação sobre a responsabilidade à desobediência da lei.

3 – No dia da votação uma Oficial de Justiça foi impedida de acessar o prédio da Alerj para notificar o presidente da sessão, deputado Wagner Montes, para que fosse permitido o acesso da população às galerias numa clara obstrução da Justiça, o que, caso os deputados não fossem presos novamente, a sessão anterior que votou pela soltura dos mesmos teria que ser anulada, o que ainda pode ocorrer, já que as ações do MP Estadual e do SindJustiça tramitam na Justiça Estadual.

4 – O depoimento dos auditores do TCE que desistiram de concorrer, afirmando que o próprio deputado Edson Albertassi, levando uma carta pronta para assinatura dos três, cujo original está nos autos do processo, mostrou claramente que houve uma tentativa de se agilizar a indicação do parlamentar para que, tornando-se conselheiro, o foro de prerrogativa fosse deslocado da Justiça Federal do Rio para o STJ. Mais uma tentativa de obstrução da Justiça, que, aliás, o Ministério Público Federal pede que o governador Pezão seja investigado por esse fato.

Próximos passos



É delicadíssima, para não dizer insustentável, a situação do governador do estado. Além de ficar evidente sua participação no conluio com os deputados, a delação do operador Edmar Moreira que pagava propinas para a Fetranspor revela que do dia de sua posse até a presente data, Pezão recebeu da entidade R$ 4,8 milhões, entregues a Luiz Carlos Vidal Barroso, o Luizinho de Piraí, que acompanha o governador há muitos anos, nomeado no Palácio Guanabara, nascido e criado em Piraí.

Aqueles que diziam que nossas afirmações neste blog sobre a corrupção escancarada do governo Cabral eram um exagero, agora veem que além de termos mostrado a verdade, indicando a maioria dos personagens que agora se encontram presos em Benfica, não era exagerada a cifra que disse desde o início que foram transferidos dos cofres públicos para membros do PMDB e seus aliados, com finalidade de enriquecimento pessoal, mais de R$ 10 bilhões.

Com as investigações jornalísticas que estamos fazendo há quase 10 anos posso afirmar com segurança que ainda faltam ser desmontados vários esquemas que perduram dentro do governo estadual ou funcionaram como sangria do dinheiro público.

Continuam sangrando o dinheiro público: Detran, Organizações Sociais, os contratos superfaturados de viaturas e alguns esquemas montados por Sérgio Côrtes na saúde que ainda não foram desmontados.

Esquemas que sangraram os cofres públicos e ainda não foram apurados: a máfia dos precatórios, os saques dos depósitos judiciais, o Rio Poupa Tempo e o sumiço de recursos federais para obras no estado, entre elas, a recuperação da Região Serrana.

É importante frisar que tanto nas obras como na saúde, na prestação de serviços, como no fornecimento de alimentação, os esquemas do governo Cabral foram replicados na Prefeitura do Rio por Eduardo Paes. Nas obras a campeã do estado é também a campeã da prefeitura, a Delta, até Fernando Cavendish ser preso. Na prestação de serviços o campeão no estado é também o campeão na prefeitura, o Rei Arthur, do antigo grupo Facility. No setor de alimentação já está preso Marco Antônio De Luca, do grupo Masan / Milano, maior fornecedor do estado e da prefeitura. As OSs que reinaram no governo no estado, entre elas o Viva Rio, também reinaram na prefeitura.

Conforme já dissemos neste blog, a compra da Olimpíada teve participação direta do prefeito Eduardo Paes e do governador Sérgio Cabral. O sistema de ônibus não operou apenas nas linhas estaduais, afinal se José Carlos Lavoura era o presidente da Fetranspor, Jacob Barata era o presidente da Rio Ônibus, que comanda o transporte na capital.

Há por parte de setores da imprensa uma clara tentativa de blindar o ex-prefeito Eduardo Paes como se ele não tivesse participado de toda a corrupção comandada por seu padrinho político, Sérgio Cabral. Os mais atentos devem se lembrar de uma das frases de Cabral durante uma de suas farras em Paris, num restaurante de luxo. Ele diz: “Este restaurante tem história. Acabamos de marcar a data do casamento de Cavendish, e foi aqui que definimos a candidatura de Eduardo Paes”. Aliás, uma candidatura fraudada, pois Eduardo Paes que era secretário de Esporte de Cabral foi exonerado com data retroativa para poder fazer o registro de sua candidatura.

Caíram as máscaras. A festa acabou.

21/11/2017

15:35

Garotinho é destaque no Brasil 247

Reprodução do Brasil 247
Reprodução do Brasil 247



21/11/2017

14:45

Presos novamente Picciani, Paulo Melo e Albertassi

Reprodução do G1
Reprodução do G1

Muita gente está surpresa com a decisão da 1ª Seção Especializada do Tribunal Regional Federal do Rio de Janeiro que decretou novamente a prisão dos três deputados. Quem assistir o final do meu programa de hoje no Facebook, "Encontro Marcado com Garotinho", vai ver que avisei na hora em que a sessão começou. Eu disse que o TRF poderia não apenas decidir pelo afastamento do mandato, mas também decretar nova prisão. Foi o que aconteceu, e por unanimidade. Está sendo aguardado a expedição do mandado de prisão.

21/11/2017

11:55

Encontro Marcado com Garotinho (Quarta, 21/11/2017)

21/11/2017

09:25

Fala Garotinho (Terça, 21/11/2017)

PrimeiroAnterior1 2 3 4 5 6 7 ProximoUltimo