Visitantes online: 5
logo topo

segunda-feira, 22 de julho de 2019

09/09/2017

15:02

A delação de Funaro

É melhor dividir por tópicos porque Funaro fez um estrago na República.

1 – Ele diz que tem provas que o filho do ex-ministro Edison Lobão é sócio, através de laranjas, de várias pequenas usinas hidrelétricas no Pará.

2 – Funaro afirma “tinha uma conta corrente entre eu e Geddel. Às vezes eu repassava valores quando solicitado e às vezes fazia remessas mensais”. Segundo ele, somente entre fevereiro de 2014 até maio de 2015 tem registros e comprovantes que repassou R$ 11,4 milhões a Geddel, provenientes de propina em negócios da Caixa onde o político baiano era vice-presidente.

3 – Funaro apresentou documentos que comprovam que atuou para liberar junto à Caixa R$ 2 bilhões para uma concessionária do grupo Bertin na obra do Rodoanel de São Paulo. Nesta operação a propina foi de R$ 40 milhões. Segundo o delator foi dividida entre ele, Geddel e Eduardo Cunha.

4 – Funaro escracha Moreira Franco: “dando dinheiro Moreira faz qualquer coisa”. Segundo Funaro, com a ajuda de Moreira a CIBE obteve empréstimos de R$ 300 milhões. A propina de 4% foi dividida da seguinte forma: 60% para Moreira; 25% para Cunha; e 15% pra Funaro. O doleiro ainda disse que o operador de Moreira Franco na Infraero era André Luiz Marques, conhecido como André Bocão.

5 – Além de dizer que Michel Temer sempre soube de tudo, se beneficiou de muito dinheiro, Funaro apontou como operadores do presidente quatro pessoas: José Yunes (ex-assessor especial), Wagner Rossi (ex-ministro da Agricultura), Marcelo Azeredo, além do coronel João Batista Lima Filho. Para Funaro, Yunes era o maior operador, e usou a empresa do coronel Lima para escoar propinas do contrato de Angra 3, enquanto Rossi e Azeredo operavam as propinas do Porto de Santos e outras.

6 – Funaro apresentou documentos que comprovam o pagamento de propina, a pedido de Eduardo Cunha, aos seguintes políticos:

Michel Temer – R$ 1,5 milhão
Henrique Eduardo Alves – R$ 4,95 milhões
Sandro Mabel – R$ 2 milhões
Gabriel Chalita – R$ 9,8 milhões
Toninho Andrade (atual vice-governador de Minas Gerais (PMDB)) – R$ 9,8 milhões
Manoel Júnior – R$ 150 mil
Cândido Vaccarezza – R$ 700 mil
Soraia Santos (PMDB-RJ) – R$ 1 milhão
Alexandre Santos (ex-deputado do PMDB-RJ) – R$ 1 milhão
Marcelo Castro (PMDB-PI) – R$ 1 milhão

Funaro diz que a lista é muito maior e ficou de apresentar outros comprovantes envolvendo outros políticos.

7 – Funaro mostrou documentos que comprovam que ele repassou 5 milhões de francos suíços do empresário Jacob Barata Filho ao presidente da Assembleia Legislativa do Rio, Jorge Picciani (PMDB). O repasse foi feito a pedido de Eduardo Cunha na campanha de 2014, e saiu de uma offshore cujo nome é Tuindorp Enterprise, no Banco Audi, na Suíça. Ele informou até o número da conta. Após uma operação dólar-cabo, efetuada por um doleiro chamado Tony, a quantia foi sacada no Brasil e entregue ao senhor Milton, operador de Jorge Picciani. Para comprovar o que afirmou, além do extrato da conta, Funaro entregou as mensagens que trocou com Eduardo Cunha no celular que não foi apreendido pela Polícia Federal no dia da operação.

8 – Funaro confirmou a versão que recebeu dinheiro para manter o silêncio sobre Michel Temer. Valor: R$ 100 milhões pagos por Joesley Batista, que tinha como intermediário Geddel Vieira Lima.

9 – Segundo Funaro, ele transferiu para Michel Temer, via Eduardo Cunha, R$ 13,5 milhões em propina sendo R$ 7 milhões da JBS, R$ 5 milhões de Henrique Constantino, do grupo Gol, e R$ 1,5 milhão do grupo Bertin.

10 – Funaro aceitou pagar pelo acordo de delação premiada R$ 45 milhões, que serão em quitados em 10 parcelas semestrais, terá que cumprir dois anos em regime fechado, e mais 6 em prisão domiciliar, com regime progressivo a cada dois anos (fechado, semiaberto e aberto). Ele também se compromete a cumprir 4 anos de serviço à comunidade. Tudo isto e muito mais já está assinado e homologado pelo Supremo Tribunal Federal.

09/09/2017

14:00

A revolta do ex-procurador e a delação de Guido Mantega

O ex-procurador Marcelo Miller e o ex-ministro Guido Mantega
O ex-procurador Marcelo Miller e o ex-ministro Guido Mantega
O ex-procurador Marcelo Miller está inconformado com a decisão do Procurador Geral, Rodrigo Janot de pedir sua prisão. Afirma a pessoas próximas que fez tudo o que foi combinado. Mas afinal o que foi combinado? Joesley e Saud querem ser ouvidos pelo ministro Edson Fachin antes do pedido de prisão feito por Janot. Aliás, Fachin está agora em seu gabinete e pode decidir a qualquer momento o pedido de prisão requerido por Janot.

Outra notícia é que para não ser preso, o ex-ministro Guido Mantega fechou acordo com o Ministério Público Federal e se comprometeu a falar sobre os seguintes assuntos:

1 – Como tramitavam as Medidas Provisórias durante os governos do PT.
2 – Detalhar como recolhia o dinheiro para o partido.
3 – Como movimentava as contas do PT no exterior.

09/09/2017

13:45

A hora de Pezão está chegando

Reprodução da Veja
Reprodução da Veja
Há mais de 30 dias que eu disse que Pezão sairia preso do Palácio Guanabara. E os leitores mais antigos sabem que há vários anos que mostro que Hudson Braga, o Braguinha, preso com Cabral em Benfica, é o homem da mala de Pezão. O primeiro a denunciar esquemas de Braguinha fui eu aqui no blog. Braguinha está para Pezão como Lúcio Funaro para Eduardo Cunha. Sabe tudo sobre as propinas, era o sub de Pezão quando ele acumulava a secretaria de Obras e comandou intervenções na Região Serrana, no Maracanã, no Arco Metropolitano, só para citar as principais. Braguinha vai enterrar Pezão.

09/09/2017

13:14

Delação de Funaro é bomba pura

09/09/2017

10:27

Doleiro ajudou a comprar votos favoráveis ao impeachment de Dilma

Reprodução do Brasil 247
Reprodução do Brasil 247
Que Eduardo Cunha e Michel Temer comandaram o golpe parlamentar para cassar Dilma Rousseff, isso todo mundo sabe. Mas a delação do doleiro Lúcio Funaro lança luz sobre as sombras do impeachment de Dilma. Além de ter comandado o esquema de propinas que garantiu a eleição de Eduardo Cunha para a presidência da Câmara, Funaro revelou na sua delação premiada que participou da compra de votos na Câmara para a abertura do processo de impeachment de Dilma. Bem, a mim não me surpreende. O que, também não me surpreende, mas é curioso, é que quase toda a mídia ignorou essa parte da delação.

08/09/2017

17:35

Delegado amigo de Sarney pode ser o próximo diretor da Polícia Federal

Reprodução do Radar online, da Veja
Reprodução do Radar online, da Veja
É tudo o que o pessoal do PMDB sonhava. Vamos aguardar.

08/09/2017

16:12

O gran finale de Rodrigo Janot

Rodrigo Janot
Rodrigo Janot
Rodrigo Janot só tem mais cinco dias úteis à frente da Procuradoria Geral da República. Seu último dia no cargo será domingo (17). Portanto a próxima semana será a última de Janot como Procurador Geral da República. Seu último ato, o gran finale, será a segunda denúncia contra Michel Temer, que eu adiantei que não seria baseada na delação da JBS, mas sim na do doleiro Funaro. E podem estar certos que depois do episódio da delação da JBS, que chamuscou Janot, ele vai com tudo para a denúncia contra Temer, deve apresentar uma peça devastadora, quer que seja a marca que vai coroar seu mandato, além de tudo o que fez na Lava Jato.

08/09/2017

14:37

Segundo denunciante, Nuzman tinha proteção de juízes

Reprodução da Veja online
Reprodução da Veja online

08/09/2017

13:47

Michel Temer deve estar tremendo com nova prisão de Geddel

Geddel Vieira Lima, ex-ministro e ligadíssimo a Michel Temer, vai ser levado para o presídio da Papuda. Na quarta-feira fiz uma postagem aqui no blog intitulada "A Justiça Federal não vai mandar Geddel de volta para a prisão?". Não deu outra.

Em julho Geddel chegou a ficar 9 dias atrás das grades, mas, de repente, um dia após terem surgido informações de que o ex-ministro estava em profunda depressão no presídio da Papuda, que iria partir para a delação premiada, eis que apareceu uma decisão superior que o mandou para casa.

Agora diante dos R$ 51 milhões em dinheiro vivo será muito difícil Geddel conseguir novo habeas corpus para tirá-lo detrás das grades. E com isso aumenta a probabilidade de fazer delação. É por isso que Temer deve estar tremendo.

08/09/2017

11:58

Encontro Marcado com Garotinho (Sexta - 08/09)

08/09/2017

09:30

Fala Garotinho - 08 de setembro de 2017

08/09/2017

08:16

Doleiro relata farra das propinas para Temer

Reprodução da Veja
Reprodução da Veja
Segundo a edição da revista Veja desta semana, o doleiro Lúcio Funaro, na sua delação premiada, entrega que repassou R$ 13,5 milhões em propinas para Michel Temer. Seriam R$ 1,5 milhão do grupo Bertin, R$ 7 milhões da JBS e outros R$ 5 milhões de Henrique Constantino, do Grupo Constantino. Parte dos R$ 5 milhões de Constantino teria sido usada na campanha do então deputado Gabriel Chalita à prefeitura de São Paulo, em 2012. O doleiro também revelou que repassou R$ 6 milhões ao ministro Moreira Franco.

Isso mostra que há elementos para a segunda denúncia contra Temer que não têm relação com a delação da JBS. Embora seja importante frisar que os questionamentos feitos à delação da JBS dizem respeito a omissões de informações que vão servir para anular o acordo que beneficiou os irmãos Batista e executivos do grupo JBS. As provas não devem ser invalidadas, três ministros do STF já se manifestaram nesse sentido.

E agora, Temer?

07/09/2017

13:53

Ala independente do PMDB quer tirar Jucá e votar contra governo

Reprodução do Radar online, da Veja
Reprodução do Radar online, da Veja
Assim como o PSDB, o PMDB também tem os seus "cabeças pretas", que se consideram "independentes" e não estão satisfeitos com a condução do governo e do partido. Querem tirar o senador Romero Jucá (RR) da presidência do PMDB e pretendem votar contra medidas do governo Temer. Esse grupo inclui parlamentares de
Goiás, Pernambuco, Minas Gerais, Paraná e Sergipe. Ou seja, Temer enfrenta resistências não apenas entre os partidos aliados, mas também dentro do próprio PMDB. Atrapalhar o governo votando contra algumas medidas eles até podem fazer. Mas não têm força para tirar Jucá, e se tiverem que votar contra a segunda denúncia da PGR podem apostar que a pressão não republicana do comando do PMDB será enorme, difícil de resistir.

07/09/2017

09:25

Fala Garotinho (Quinta - 07/09/2017)

07/09/2017

08:01

Joesley Batista achou que tinha o Brasil a seus pés

Joesley Batista na saída de depoimento à Polícia Federal (SP)
Joesley Batista na saída de depoimento à Polícia Federal (SP)
É impressionante a desfaçatez, a arrogância, a prepotência do senhor Joesley Batista, que, assim como os chefes mafiosos, planeja derrubar até os altos poderes, como Supremo Tribunal Federal. Debocha das autoridades, acha que pode comprar ou manipular todo mundo. E fez um acordo de delação premiada espetacular, com todas as vantagens, que só deve ter reforçado sua convicção de que "passou a perna" no Brasil. Mas como se diz popularmente "deu ruim".

Podem estar certos que o seu acordo de delação será anulado e vai ser preso. Quando estiver numa cela terá tempo para refletir sobre suas ações. A festa de Joesley está acabando.



06/09/2017

17:51

Geddel Vieira Lima é o símbolo do golpe que o PMDB deu no povo brasileiro



Esse vídeo de 2015, antes do impeachment de Dilma se consumar hoje se transformou num supremo deboche do povo brasileiro. Geddel Vieira Lima, preso na Lava Jato, atualmente em prisão domiciliar em Salvador, acusado de participar ativamente do esquema do "quadrilhão do PMDB", como é chamado o inquérito no STF que investiga as propinas do grupo do PMDB da Câmara de Deputados, dizer com a maior desfaçatez: "Chega, ninguém aguenta mais tanto roubo. Isso é roubo, é assalto aos cofres públicos para enriquecer os petistas".

Ora, o PMDB comandou o afastamento de Dilma para tomar o poder de assalto, em todos os sentidos. Temer, Eduardo Cunha, Henrique Eduardo Alves, Eliseu Padilha, Moreira Franco, além de Geddel e muitos outros não têm a menor condição moral de condenar o PT ou quem quer que seja.

Essa "caverna do Ali Geddel", que, segundo a PF pertenceria à versão baiana do personagem Ali Babá é coisa de livro de histórias. Nunca se viu tanto dinheiro junto.

Os R$ 51 milhões demoraram 14 horas para serem contados usando 7 máquinas
Os R$ 51 milhões demoraram 14 horas para serem contados usando 7 máquinas