Antes de prosseguir gostaria de fazer alguns esclarecimentos atendendo aos leitores do blog. Lamento com sinceridade ter que expor as imagens da falecida esposa do dono da Delta em algumas reportagens. Nas centenas de fotos e vídeos e que estão em nosso poder tivemos a preocupação de preservá-la o quanto foi possível. Todavia algumas situações são fatos jornalísticos contundentes e reveladores, cujas ações exibidas e seus personagens comprovam ligações promíscuas e desmascaram versões que vinham sendo sustentadas para proteger um governador de Estado e seus secretários que vêm assaltando os cofres públicos.

Vocês hão de convir comigo que se tivéssemos utilizado recursos de tecnologia para esconder a esposa de Fernando Cavendish, a primeira coisa que diriam era que não passava de montagem e tentariam desacreditar tudo o que mostramos até agora. A mídia jamais reproduziria o material revelado com exclusividade pelo nosso blog.

À família de Jordana Cavendish meus sinceros sentimentos, nunca foi nossa intenção reabrir feridas, sabemos que ela também foi vítima da irresponsabilidade e soberba de Cabral, que podendo fazer um percurso de carro, de no máximo 20 minutos até o luxuoso resort onde seria comemorado o aniversario de Fernando Cavendish, fez questão de usar um helicóptero sem nenhuma necessidade, o que acabou gerando a tragédia que culminou na morte de Jordana, de sua irmã e outras crianças inocentes.

Outro ponto que me chamou a atenção é que Cabral disparou seu sistema de comunicação postando comentários contra mim em vários blogs e jornais que estão reproduzindo nossas matérias. A jogada é tão escancarada e mal feita – diga-se de passagem – que todos esses comentários começam sempre com as mesmas expressões: “é o sujo falando do mal lavado” ou então “é tudo farinha do mesmo saco”. E aí logo em seguida todos os comentários aproveitam para relembrar algum fato negativo que tenha acontecido no meu governo ou de Rosinha.

É o momento oportuno para esclarecer algumas das acusações que a mídia propagou, mentindo e deturpando. O caso Silveirinha, fiscal de renda do Estado que foi flagrado com contas no exterior é sempre citado nos comentários dos internautas a serviço de Cabral. Silveirinha foi pego com mais de RS$ 30 milhões em contas no exterior. Foi um escândalo. A mídia do Rio sempre com má vontade contra mim tentou fazer insinuações de que o dinheiro do fiscal era meu. Pra defender minha honra fui à Assembléia Legislativa e pedi uma CPI para investigar tudo. Numa tarde recebi um telefonema de um amigo de Cabral dizendo que ele estava deprimido, há dois dias sem sair de casa, sem tomar banho, nem fazer a barba. Pediu que eu fosse até a casa de Cabral conversar com ele. Lá encontrei um Cabral abalado que me disse: “Minha vida acabou. Se o Silveirinha abrir a boca vou acabar sendo preso”. Cabral era um velho amigo do fiscal Silveirinha, trabalharam juntos durante anos na TurisRio. Foi ali que desenvolveram laços que foram além da política, tanto assim que Cabral nomeou como sua assessora de total confiança na presidência da ALERJ, a mulher de Silveirinha. Perguntei então a Cabral: ”O que você teme?”. Cabral me disse que estava apavorado com a possibilidade do esquema que ele e o ex-deputado André Luiz montaram junto com Silverinha fosse todo descoberto.

Silveirinha foi condenado, seus milhões de dólares no exterior foram bloqueados; Cabral que era o autor oculto tirou o corpo fora; e para mim sobrou o desgaste de ter mantido esse episódio no anonimato até agora.

Um outro esclarecimento é que descobrimos ao longo da publicação das reportagens sobre o local exato da comemoração do aniversário de Adriana Ancelmo e da marcação do casamento de Fernando Cavendish com Jordana. Na verdade foi no restaurante Luis XV, do Hotel de France, na cidade de Monte Carlo, no Principado de Mônaco, o paraíso dos milionários e aristocratas. Pode ser coincidência, mas a operação da Polícia Federal contra Carlinhos Cachoeira que trouxe à tona o esquema da Delta chamou-se exatamente “Operação Monte Carlo”. Porque será? Foi apenas coincidência?

A identificação exata do restaurante foi possível porque ouvindo o áudio há um momento em que Cabral diz: “Este é o melhor Allain Ducasse do mundo”. Para quem não sabe trata-se do mais renomado chef de cozinha do mundo que comanda o restaurante do Hotel de France, em Mônaco. Não há dúvida eles estavam no Principado de Mônaco gastando o dinheiro do povo.

Outros internautas a serviço de Cabral afirmam: mas você foi condenado. Sim, é verdade, numa sentença comprada por Cabral onde o juiz além de ser irmão do coronel assessor parlamentar da Polícia Militar do Rio de Janeiro, proferiu a sentença quando estava com “perda de jurisdição” (não podia ter dado qualquer sentença), além de outras inúmeras armações feitas no processo para me incriminar. Não há nenhuma prova, absolutamente nada. Tanto assim que estou representando contra o juiz no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), onde estive pessoalmente com a ministra Eliana Calmon.

Outros internautas dizem “você não fez nada pelo Rio”. Talvez manipulados pela mídia as pessoas esqueçam que a minha sucessora, Rosinha, foi eleita no primeiro turno devido há alta aprovação do meu governo. Nenhum governador, nem Sérgio Cabral com o apoio da mídia conseguiu os índices de aprovação que obtive como mostrou o Datafolha.

Compreendo que por ter optado por um caminho de enfrentar banqueiros, a mídia tradicional, verdadeiras máfias que atuam dentro do estado, tomei muita pancada e por isso muitas pessoas têm uma imagem distorcida de mim. Mas apesar do preço alto que venho pagando, prefiro que o tempo e os fatos restabeleçam a verdade, do que ceder aos poderosos e aos interesses contrários ao povo para que a imprensa fale bem de mim. A minha trajetória, os meus atos, o meu patrimônio, falam por si só. Não preciso de proteção, nem de estratagemas, basta que falem a verdade.

Mas voltando ao título desta postagem vejam mais algumas fotos de Cabral, Cavendish e Sérgio Côrtes gastando o nosso dinheiro pelo mundo. Deliciem-se com o cenário paradisíaco do Mediterrâneo ao fundo de Monte Carlo.




Cabral diz hoje em mais uma nota oficial que não sabia do envolvimento da Delta, do seu amigo Fernando Cavendish com a turma do Cachoeira. É a mesma estratégia que Lula usou na época do Mensalão, disse que não sabia de nada do que José Dirceu fazia. Mas há questões mais importantes que Cabral sabe e não responde através de suas notas oficiais.

Quem pagou essas viagens milionárias?

Como ele consegue movimentar tanto dinheiro no exterior?

Será que Cabral tem alguma conta na Europa ou em outra parte do mundo?

Será que essas despesas constam de suas prestações de contas junto à Receita Federal?


Agora tenho o perfeito entendimento porque Cabral lutou tanto para impedir a aprovação do requerimento que fiz na Câmara dos Deputados, e que minha filha Clarissa Garotinho apresentou também na ALERJ, sobre suas viagens ao exterior. Iguais a essas viagens que vocês estão tomando conhecimento através do nosso blog, houve quase cem, a Paris, Nova Iorque, Roma, Londres e outros destinos sempre a passeio e esbanjando como milionário. Que Cabral não tem dinheiro pra isso todo mundo sabe. O que todos querem saber é quem paga as despesas?


Em tempo: Nas próximas postagens mostrarei Cabral, Cavendish e companhia no show do U - 2 e a certeza de Sérgio Côrtes de que tudo vai acabar em pizza.

Comentários