Ceia de Natal do Restaurante Popular de Campos
Ceia de Natal do Restaurante Popular de Campos



Ontem à noite o Restaurante Popular de Campos abriu para uma ceia de Natal. Margareth, a administradora do restaurante me ligou falando da emoção das pessoas, muitos choravam, outros que trabalhavam no comércio ou na limpeza pública da cidade participaram da ceia que aconteceu entre 22h e meia-noite. A declaração de uma senhora humilde resume o sentimento de todos os participantes: “Pra mim vai ser o único presente de Natal. Não tenho família, sou moradora de rua, nem de Campos eu sou, uma Kombi de Cachoeiro do Itapemirim me deixou aqui há 20 dias numa praça. Um ceia de Natal? Parece que estou sonhando”.

Na noite de ontem os supermercados estavam lotados, às 18h, o crédito do Cheque Cidadão estava depositado nos cartões das 27 mil família que recebem o benefício. Em um supermercado de um bairro da periferia de Guarus uma outra senhora, também humilde resumia a felicidade de todos: “Nem acredito, pensei que meu Natal ia ser magro. Esse presente que a Rosinha nos deu caiu do céu.”

A semana que vem promete mais presentes para o povo de Campos. A inauguração da Vila Olímpica do Parque São Benedito, a abertura para o público das instalações prediais do Hospital São José, em Goytacazes, e como não poderia deixar de ser, a última inauguração do governo Rosinha será em homenagem às crianças, uma linda creche-modelo no Parque Saraiva.

Que fique registrado para a história o momento da passagem de um governo para o outro em Campos dos Goytacazes. Rosinha deixa a prefeitura pela porta da frente, com o salário de dezembro e o 13º integralmente pagos, uma cidade com milhares de obras novas, e algumas praticamente prontas, como o Shopping Popular, que bastarão no máximo dois meses para serem entregues à população. Dentro de poucos dias o prefeito eleito deve descer do palanque e começar a cumprir rapidamente suas promessas de campanha, afinal foram muitas, e ele só terá provavelmente até maio para cumpri-las, pois tudo indica que a fraude ocorrida em outubro levará a novas eleições e aí realmente “vai ser diferente”.