Há muito tempo venho denunciando as organizações sociais que nos governos Sérgio Cabral e Eduardo Paes roubaram milhões da saúde pública no Rio. Por enquanto estourou apenas o primeiro caso, como vocês podem ver na matéria acima, que envolve os irmãos Walter e Wagner Pelegrini, da OS Biotech, presos em 2016. É um escandaloso esquema de desvio de dinheiro da saúde para enriquecimento ilícito de empresários, que compraram fazendas, carros milionários, cavalos que custam de R$ 1 milhão cada um, e vai por aí afora. Muita gente estranhou quando coloquei na minha denúncia ao Procurador Geral da República o nome do secretário de Saúde do Rio de Janeiro, Hans Dohmann. Ele está envolvido nesse esquema junto com o ex-prefeito Eduardo Paes até a medula. Mas não é o mentor intelectual da safadeza. O cabeça da maracutaia é Sérgio Côrtes, que transportou o esquema de corrupção praticado no Estado na era Cabral para a prefeitura sob o comando de Eduardo Paes. Côrtes e Dohmann trabalharam juntos no Instituto de Traumato-Ortopedia, e conforme venho afirmando há anos, o esquema da saúde foi durante a gestão Cabral - Paes uma das maiores fontes de corrupção e propinas.

Os dois empresários presos são apenas a pontinha do iceberg. Muitas outras instituições e organizações sociais foram montadas para fraudar a saúde e outras foram adaptadas para esse fim. Tudo com o conhecimento pleno e total do senhores Sérgio Côrtes e Sérgio Cabral.

É bom que a polícia siga por este caminho apontado por nós e chegue até ao IABAS (relembrem abaixo matéria publicada aqui no blog em 2013) e ao coronel Rafael Paixão, lotado no gabinete de Sérgio Côrtes, que chegou à proeza de exportar a corrupção do Rio de Janeiro para o Rio Grande do Norte. Lá deu cadeia para muita gente a pedido do MP-RN, enquanto isso aqui no Rio de Janeiro...