Reprodução do Facebook
Reprodução do Facebook

Os movimentos que surgiram nas redes sociais e lideraram as manifestações pelo impeachment de Dilma, MBL (Movimento Brasil Livre) e Vem pra rua, decidiram fazer um agrado a Michel Temer. Marcaram o retorno às ruas para 26 de março, mas sem protestos ou críticas ao governo. Pelo contrário. Além de apoiar a Lava Jato vão defender as reformas trabalhista e previdenciária. Bem, vamos ver se entendi. Os jovens serão os mais prejudicados com a reforma da Previdência, assim como com as mudanças na legislação trabalhista, mas esses movimentos vão para as ruas bater palmas para tudo isso? Acho que vão dar um tiro no pé. Estão para Temer como a CUT, UNE e MST estavam para Lula e Dilma.