Reprodução do Radar online, da Veja
Reprodução do Radar online, da Veja

No início do mês Jorge Picciani foi reeleito presidente da ALERJ, mas todo mundo sabe que não ficará no cargo nem até o fim deste ano. A delação da Carioca Engenharia entrega Picciani de bandeja, Braguinha também está negociando sua delação onde o presidente da ALERJ é personagem de destaque, e outras delações estão em curso. Muito em breve, quando as delações vierem à tona, Picciani não terá mais condições políticas de permanecer como presidente da ALERJ. Mesmo com todo o apoio que tem dos deputados será convencido que o melhor é se afastar do cargo de presidente ficando com o mandato, o mesmo que Renan Calheiros já fez na presidência do Senado. Há muitos anos venho denunciando os esquemas da família Picciani que multiplica suas vacas e negócios em ritmo avassalador. Cabral só fez o que fez porque Picciani estava junto. O Estado quebrou não foi apenas por causa de Cabral e Pezão. Picciani tem o mesmo grau de participação. E também não vai demorar a fazer companhia a Cabral em Bangu 8. Wagner Montes, atual 1º vice-presidente da ALERJ pode ir se preparando para assumir o comando do Legislativo do Rio.