Reprodução do Diário do Poder
Reprodução do Diário do Poder

A alegria de Adriana Ancelmo durou pouco. Na sexta-feira ganhou o direito à prisão domiciliar e tinha a expectativa de ontem (segunda) ter ido para casa. Mas o desembargador Abel Gomes, do Tribunal Regional Federal do Rio de Janeiro aceitou os argumentos do MPF de que as demais mães de filhos até 12 anos que estão presas não tiveram direito ao benefício. Por uma questão de isonomia jurídica o desembargador decidiu que Adriana permanecerá em Bangu.

Já havia antecipado ontem que o desembargador Abel Gomes em dezembro passado havia negado pedido semelhante de Adriana Ancelmo e que a lógica indicava, tendo em vista não ter havido fato novo, que a decisão deveria ser a de negar a prisão domiciliar, o que de fato ocorreu.

Já Cabral até o final da próxima semana deverá ser transferido para o presídio vip de Benfica, que Pezão está reformando especialmente para ele.