Jorge Picciani discursando hoje na tribuna da ALERJ
Jorge Picciani discursando hoje na tribuna da ALERJ

Quem acompanha o nosso blog sabe que a família Picciani é personagem constante e que venho denunciando suas maracutaias já faz muitos anos. Confesso que pelo perfil do deputado Jorge Picciani esperava que ele hoje fosse subir à tribuna da Assembleia como um leão, mas transformou-se num gatinho de estimação. Limitou-se ao papel de vítima. Imaginei que fosse esclarecer alguma coisa sobre as acusações que pairam sobre ele, que fosse explicar a origem do seu patrimônio milionário que se multiplica a cada dia, que apresentasse na sua defesa argumentos, ainda que dissimulados, pelo menos plausíveis para a opinião pública que não conhece os bastidores da política. Mas o que se viu foi um homem que, provavelmente abalado, sentindo que não terá como escapar ao cerco do MPF, não disse coisa com coisa. Seu discurso foi de um cinismo inacreditável, um deboche com a inteligência da população fluminense. Vamos a algumas afirmações.

"Nunca indiquei um cargo no poder executivo estadual ou federal". Logo ele, que todo mundo político sabe que indicou metade dos secretários de Pezão, além de ter vários cargos no governo Temer, inclusive o próprio filho, Leonardo que é ministro do Esporte, e sem contar o outro filho, Rafael, que foi secretário de Habitação de Cabral.

"Nada devo, nada tenho a temer. Não tenho nenhuma participação em esquemas".

"Nunca cometi qualquer ato desonesto e os deputados sabem disso".

"Só conheço Lélis Teixeira (presidente da Fetranspor) das reuniões do Fórum Estadual de Desenvolvimento".

Disse ainda que não tem ingerência sobre comissões ou deputados, que apenas cuida da pauta da Assembleia e é "um mero condutor dos trabalhos da ALERJ".

Quis também, sem citar meu nome, atribuir a delação do conselheiro Jonas, do TCE, à amizade que tem comigo, o que é uma ingenuidade do deputado. Se eu tivesse o poder de influenciar a delação de Jonas, no caso específico do deputado Picciani, ele falaria muito mais do que mostrou ao MPF. Aliás, o nosso blog, já denunciou com provas as falcatruas do deputado Picciani, que vão muito além do que foi dito pelo ex-presidente do Tribunal de Contas. O enriquecimento ilícito de Picciani é tão visível e notório que somente pessoas tomadas pela cegueira do interesse econômico e/ou político não veem. Se eu tivesse tido a oportunidade de estar com o conselheiro Jonas, em relação ao deputado Picciani lhe entregaria as provas que apresentei ao Ministério Público Federal na notícia-crime que protocolei. Se o presidente da ALERJ pensa que vai me intimidar com suas insinuações ou ameaças que vem fazendo há meses, através de recados de deputados que se prestam ao papel de pombos-correios da corte, está muito enganado.

E pelo menos o gran finale teve uma verdade depois do festival de mentiras: "Não tenho nenhum constrangimento de continuar a presidir a ALERJ". Claro que não, isso nós sabemos, afinal está cercado de algumas dezenas de colegas - com raras exceções - que compartilham das suas práticas políticas.

Foi ovacionado pela maioria dos deputados presentes, que depois o encheram de abraços. Foi um espetáculo deprimente. Cai o pano.