No alto (da esquerda para a direita): Paulo Melo (PMDB), Edson Albertassi (PMDB) e André Correa (DEM)
Embaixo: Christino Áureo (PSD), Leonardo Espindola e Pedro Fernandes Neto (PMDB)
No alto (da esquerda para a direita): Paulo Melo (PMDB), Edson Albertassi (PMDB) e André Correa (DEM) Embaixo: Christino Áureo (PSD), Leonardo Espindola e Pedro Fernandes Neto (PMDB)

Vejam vocês que a turma de Cabral e Pezão já está de olho em vagas no Tribunal de Contas do Estado. Por enquanto a única vaga certa é a do ex-presidente do TCE, Jonas Lopes, que está licenciado, mas que vai se aposentar. Mas acreditam que outras vagas serão abertas após a Operação "O quinto do ouro". Agora vejam vocês o time que quer fiscalizar as contas do Estado e de 91 prefeituras, prestem atenção nos currículos.

Paulo Melo - Foi presidente da ALERJ no segundo mandato de Cabral, líder do Governo Cabral e secretário de Pezão.

André Correa - Foi secretário de Cabral e de Pezão, além de ter sido Líder do Governo Cabral na ALERJ.

Christino Áureo - Foi secretário de Cabral e agora é o chefe da Casa Civil de Pezão.

Pedro Fernandes Neto - Foi secretário de Eduardo Paes e agora é secretário de Pezão.

Edson Albertassi - Líder do Governo Pezão na ALERJ, no governo Cabral foi presidente da Comissão de Orçamento, Finanças, Fiscalização Financeira e Controle, que nunca viu nada errado nos gastos do governo.

Leonardo Espindola - Foi o procurador da CEDAE que autorizou a contratação sem licitação da Delta, depois foi chefe da Casa Civil de Pezão e agora é Procurador Geral do Estado.

Com todo o respeito, já imaginaram um time desses fiscalizando os gastos públicos? Só pode ser piada de mau gosto.

E tem outra questão. Quem nomeia conselheiro do TCE é Pezão, que indica o nome, e a ALERJ, comandada por Jorge Picciani, precisa aprovar. O que se pode esperar?