Reprodução da Veja online
Reprodução da Veja online

As reformas trabalhista e previdenciária, que já enfrentam cada vez mais resistência na Câmara, enfrentarão ainda mais problemas no Senado. Ontem o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL) disparou contra o governo Temer. Segundo ele, se a situação continuar com está “o governo vai cair para um lado e o PMDB para o outro”, e voltou a criticar duramente as medidas da equipe econômica, entre elas as duas reformas.

À noite um jantar na casa da senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), ex-ministra de Dilma, reuniu Renan e mais 11 senadores peemedebistas, além de José Sarney com a filha Roseana. O cardápio tinha fritada de aratu, uma espécie de caranguejo do Tocantins, mas o prato principal foi a "fritura" do governo Temer, segundo Renan, um "governo temporário".

Renan, é bom que se diga, nunca foi próximo de Temer, mas está sentindo que o barco vai afundar e quer marcar posição se afastando do governo, até porque no próximo ano disputará a reeleição para o Senado.

Renan definiu o que acha de Temer: "Diziam que a Dilma não sabia onde ia, e o Temer não tem para onde ir". É o fogo amigo peemedebista mirando Michel Temer.