Reproduções do Globo e da IstoÉ
Reproduções do Globo e da IstoÉ

Pelo menos mais dois processos vão se somar aos quatro que Cabral já responde, três no Rio e um no Paraná. A retomada da delação da OAS vai atingir não só Cabral, como Eduardo Paes e outros nomes do PMDB-RJ. E a delação dos herdeiros e diretores da H.Stern renderá mais um processo para Sérgio Cabral, Adriana Ancelmo, Carlos Emanuel Miranda, o Avestruz, que era quem entregava o dinheiro da compra de joias. Assim serão quatro com o juiz Marcelo Bretas e dois com Sérgio Moro. E não vai parar por aí.

E a joalheria H.Stern deve estar arrependida de fazer negócios com Cabral. Recebeu R$ 6,3 milhões pelas joias, deve ter comemorado as vendas, mas para os dois herdeiros não irem presos terão que pagar multas que somadas atingem R$ 18 milhões, fora o que terão que acertar com a Receita Federal. Não fizeram um bom negócio.

Em tempo: Faço aqui uma retificação. Na comparação valor de joias x multas foi um mau negócio para a H.Stern. Mas se colocarmos na ponta do lápis a relação entre Cabral e a joalheria, a relação custo / benefício foi um negócio da China para a H.Stern. Não podemos esquecer que a joalheira preferida do casal Cabral - Adriana recebeu incentivos fiscais de R$ 104.495.102,71. Aliás, somando as 21 joalherias, os benefícios chegaram a R$ 231 milhões.