Reprodução do blog Extra, Extra!
Reprodução do blog Extra, Extra!

Pelo jeito que as coisas andam os procuradores do MPF no Rio já devem estar realizando um processo de seleção entre os inúmeros candidatos a delação premiada. Primeiro foi a prisão de Sérgio Cabral que acendeu a luz de alerta entre os empresários que participaram de negociatas com o governo estadual. Até aquela data nenhum empresário imaginou que corresse risco, afinal a impunidade reinava no Rio de Janeiro. Depois veio a prisão de Eike Batista, um mega empresário, que todos consideravam inalcançável. Aí os primeiros empresários começaram a procurar, por iniciativa própria, o MP para evitar problemas mais adiante. E finalmente veio a Operação O Quinto do Ouro, que levou presos cinco conselheiros do TCE e Jorge Picciani, o todo-poderoso presidente da ALERJ, foi levado coercitivamente para depor. Aí bateu o desespero. Por isso a fila de candidatos à delação não para de crescer. Aliás, pela quantidade de informações que o MPF e a PF vêm recebendo já estão garantidas várias etapas em desdobramento à Operação Calicute, que prendeu Cabral.