Manchetes de hoje dos jornais do Rio
Manchetes de hoje dos jornais do Rio

É importante deixar claro mais uma vez que não se pode misturar todos os citados na delação da Odebrecht. Há casos em que, segundo os delatores, teria havido doação de recursos para campanhas eleitorais que não foram contabilizados, e outros, esses sim em situação complicada, que teriam cobrado propinas e mesadas por obras, para fraudar licitações ou vendido votos em medidas provisórias e projetos que tramitaram no Congresso, inclusive vários teriam recebido dinheiro em contas no exterior.

Segundo uma notícia que já foi publicada anteriormente, num vazamento da delação do ex-executivo da Odebrecht Leandro Azevedo, ele teria ajudado com recursos não contabilizados em três campanhas, duas de Rosinha (2008 e 2012) e uma minha para governador. Não apresentou nenhuma prova, até porque não tem.

Não fui acusado por nenhum dos 77 delatores de recebimento de mesadas, propinas ou corrupção. Quero frisar bem, porque para os que estão envolvidos na safadeza dizer nessa hora que todos são iguais é bom.

Nos meus mais de 30 anos de vida pública nunca tive e nem tenho conta no exterior, e desafio quem mostre o contrário. O meu patrimônio é o mesmo de uma década atrás. Portanto não temo nenhuma investigação, se ela acontecer, já que diferente de outros acusados, no meu caso e de Rosinha, o ministro Edson Fachi enviou as citações para a primeira instância para que seja avaliada a possibilidade de instauração de inquérito. Por enquanto não há nada. A verdade é essa.

Aliás, me orgulha muito a declaração dos lobistas da Odebrecht de Brasília, pois vários deputados são acusados de venderem seus votos em projetos de lei e medidas provisórias, exatamente no período em que fui líder de um partido na Câmara, e estava na lista dos 50 deputados mais influentes da Casa. Ao contrário, denunciei a venda de votos parlamentares no projeto que ficou conhecido como MP dos Porcos, que tratava da reestruturação do sistema portuário brasileiro.

A verdade precisa ser dita. Para quem fingia ser honesto, independente do cargo que ocupava, a casa caiu.