Reprodução do Globo online
Reprodução do Globo online

A corrupção não é uma mazela apenas do Brasil, nem um fenômeno recente. Sempre houve e sempre haverá corrupção em qualquer país. A diferença no nosso caso é que a impunidade transformou a corrupção numa epidemia, que juntando ao espírito malandro tupiniquim de querer levar vantagem sobre outros, ser mais esperto, criou essa nova classe social, muito bem definida pelo ministro do STF, Luís Roberto Barroso, os "ricos delinquentes". O assalto aos cofres públicos, por conta da impunidade, foi crescendo, crescendo, se multiplicando a ponto de termos hoje os "ricos delinquentes", e eu vou mais longe, criou também os "milionários delinquentes". Os maiores exemplos aqui no Rio de Janeiro são Sérgio Cabral, Eduardo Cunha e a quadrilha do PMDB. Mas há que reconhecer que essa nova classe surgiu porque a corrupção contaminou setores de outros poderes e instituições.