Reprodução da Época online
Reprodução da Época online

Não sei se vocês lembram, mas em 2014, o deputado federal Áureo (Solidariedade) denunciou que Sérgio Cabral tinha acertado a compra do apoio do Solidariedade à candidatura de Pezão por R$ 13 milhões, que viriam da Odebrecht. Isso foi amplamente noticiado na imprensa. Agora o MPF descobriu que R$ 500 mil do esquema de corrupção na Saúde, comandado por Sérgio Côrtes, também teriam ido para o partido.

Se o MPF for fundo na compra de partidos que apoiaram a candidatura de Pezão vão chegar aos diretórios estaduais de vários outras siglas políticas. Não custa lembrar que a coligação de Pezão era formada por 17 partidos.