Notas da coluna de Ancelmo Gois, do Globo; ao lado Pezão
Notas da coluna de Ancelmo Gois, do Globo; ao lado Pezão

Os apoiadores de Pezão, sabe-se lá os motivos, podem até comemorar o aumento da contribuição previdenciária dos servidores estaduais, mas dizer que por causa disso, "o Rio está saindo da crise" e em 60 dias pode pagar dívidas com servidores e fornecedores, só pode ser piada de mau gosto, para não dizer outra coisa. Os R$ 3,5 bilhões que Pezão espera conseguir como empréstimo, dando a CEDAE como garantia, não vão chegar antes da metade de julho, e quando caírem nos cofres não vão pagar nem o que Pezão estará devendo aos servidores. Isso para não falar na dívida de R$ 18 bilhões com fornecedores, aluguéis e concessionárias. Nem no final do ano, se Pezão resistir no cargo até lá, os pagamentos estarão em dia. O Rio vai demorar muito a sair da crise, quem disser o contrário está completamente por fora das contas estaduais, ou quer alimentar falsas esperanças. Essa é a verdade.