A "operação chequinho" tinha um objetivo claro, derrotar o governo Rosinha Garotinho.

Cada um dos três integrantes da aliança do mal, o juiz Ralph Manhães, o promotor Leandro Manhães e o delegado Paulo Cassiano têm plena consciência das arbitrariedades e ilegalidades que cometeram.

Sabem que não ficarão impunes e responderão pelos atos ilegais, que vão desde tortura para modificar depoimentos, decretação de prisões ilegais, uso do cargo para auferir vantagens indevidas e até mesmo destruição de provas e documentos.

No ofício que vocês podem ver abaixo, a corregedoria da Polícia Federal pede informações a respeito de um ato vergonhoso praticado pelo delegado Paulo Cassiano em plena campanha eleitoral.

Ele usou um de seus telefones para pedir votos para o candidato Rafael Diniz. Está tudo documentado.

Ao mesmo tempo que seu cargo era utilizado para acusar pessoas inocentes as vésperas da eleição, pedir prisões que eram usadas eleitoralmente, usava o telefone para pedir votos ao candidato apoiado por ele, pelo juiz e o promotor.

Vejam o ofício.