O ex-governador Sérgio Cabral sofreu sua primeira condenação dos mais de dez processos que ainda responde por crimes cometidos contra a administração pública. O juiz Sérgio Moro o condenou a mais de 14 anos de prisão, juntamente com Wilson Carlos e Carlos Emanuel Miranda, conhecido por avestruz, um de seus operadores financeiros.

A sentença é longa, recheada de reprovações às atitudes de Cabral como homem público e suas práticas reincidentes de propina. Não tenho dúvida que nos demais processos que responde junto à Vara Federal do Rio, o juiz Marcelo Bretas também o condenará. Especialistas consideram que a soma das penas que serão impostas ao ex-governador Cabral ultrapassará a 500 anos de cadeia. Sem querer tirar proveito do momento que o ex-governador Cabral e boa parte do seu grupo preso em Bangu atravessa, faço uma pergunta que surge do fundo do meu coração: Você acredita, sinceramente, que se eu não tivesse denunciado toda essa corrupção - ainda nos tempos em que Cabral se fingia de bom moço, era aplaudido pela imprensa, era tido como exemplo de administrador - a sentença de ontem e as outras que virão teriam ocorrido? Ou o final da história seria outro e hoje ele estaria desfrutando das riquezas que roubou da população?

É bom lembrar que, em seu governo, Cabral chegou a ter o apoio de 14 partidos políticos, da direita à esquerda. Fiquei como uma voz solitária clamando por justiça no deserto. Fui perseguido politicamente, me tiraram espaços na mídia, cheguei a ficar proibido de falar em algumas emissoras de rádio. Praticamente, só o meu Blog fazia oposição à corrupção praticada por Cabral. A maioria esmagadora dos veículos de comunicação elogiava o seu governo, os seus secretários agora presos e tentavam destruir quem levantava a voz contra os escândalos que aconteciam nos bastidores.

Não me arrependo e nem estou aqui me lamentando das duras injustiças que foram praticadas contra mim, inclusive pela Justiça, em alguns casos, a serviço de Cabral. Só quero lembrar àqueles que acompanharam esses dez anos, onde fui chamado de irresponsável, louco, demagogo, populista, que apenas cumpri o meu papel. Não me alegro com a infelicidade de ninguém mas Cabral merece as penas que estão sendo imputadas à ele. A mim ele não enganou por muito tempo mas teve até gente de boa fé que acreditou em algum momento que esse canalha tinha boas intenções.

Apesar do cerco que sofri, das perdas enormes em relação à minha imagem, minha vida profissional, minha saúde, minha família, não me arrependo de ter denunciado o maior escândalo de corrupção da história do Rio. Talvez, se não tivesse tido a coragem e a força para suportar as pressões e as ameaças, estaria me sentindo cúmplice de tudo o que aconteceu.

Estou em paz comigo mesmo. Fiz o que achei certo. Arrependidos devem estar os que se calaram ou aceitaram participar desse jogo sujo.