Por essa nem Aécio nem o pessoal do PMDB que articula para livrá-lo da cassação esperava. O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) conseguiu as cinco assinaturas necessárias para recorrer da decisão do presidente do Conselho de Ética do Senado, João Alberto (PMDB-MA), que mandou arquivar o pedido de cassação, sob a alegação estapafúrdia de que Aécio Neves foi vítima de uma armação. O grande articulador da manobra foi o chefe político de João Alberto, o ex-presidente e ex-senador José Sarney. Agora os 17 senadores do Conselho de Ética terão que votar se acatam ou não o arquivamento do pedido de cassação.

E surgiu mais uma pedra inesperada no caminho de Aécio. O presidente do conselho, João Alberto está internado com problemas cardíacos, terá que colocar um marca-passo. Se não se recuperar até o início da próxima semana quem assumirá a presidência será o vice, o senador Pedro Chaves (PSC-MS), que foi justamente um dos cinco que assinaram o recurso contra o arquivamento. Aguardemos portanto as cenas do próximo capítulo.