Da esquerda para a direita, senadoras Regina Souza (PT-PI), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Fátima Bezerra (PT-RN) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM)
Da esquerda para a direita, senadoras Regina Souza (PT-PI), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Fátima Bezerra (PT-RN) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM)

Pode se questionar a opção das senadoras da oposição ao ocuparem a Mesa do Senado, mas, para mim, muito mais grave é o atropelo comandado pelo presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE), com o apoio dos senadores governistas, para aprovar correndo a reforma trabalhista, atendendo aos interesses dos grandes empresários e massacrando os trabalhadores. Aliás, os senadores governistas consideraram a atitude de suas colegas como "quase um crime contra a democracia", mas impedir lideranças sindicais, como o presidente da CUT, Vágner Freitas de assistirem a votação e negar a entrada do povo nas galerias seria o quê?

O pior foi alguns senadores bajuladores do governo defenderem que as senadoras sejam levadas ao Conselho de Ética e punidas por quebra do decoro. Que moral esse conselho tem para falar em quebra de decoro depois de arquivar o pedido de cassação do senador Aécio Neves (PSDB-MG), e não foi por ter feito um piquenique no Senado, mas sim por pedir propina de R$ 2 milhões a Joesley Batista. É muita hipocrisia!