Mais uma decisão para reforçar a parcialidade do tribunal eleitoral, por influência do todo poderoso Zveiter.
Depois de 3 dias com o pedido de liminar em habeas corpus em favor do Garotinho, a relatora do caso decidiu não decidir e deixar para o plenário do TRE se pronunciar sobre as ilegalidades praticadas pelo juiz Ralph Manhaes, somente na segunda feira a noite.
Qual o motivo?
Deixar o Garotinho sem poder falar mais tempo.
Mas nem sempre o tribunal age assim.
Compradora de voto conhecida,a prefeita de São João da Barra foi presa em flagrante,com maços de dinheiro, comprando votos para seu candidato Neco.
Seu processo levou 4 anos para ser julgado e ela ficou presa apenas por poucas horas, pagou fiança e, apesar da fartura de provas, pode se candidatar ,se eleger e governa simultaneamente sua cidade e também Campos, onde indicou boa parte do secretariado de Rafael Diniz, a quem ofereceu fartura de dinheiro na campanha eleitoral.
A diferença entre Garotinho e Carla é simples: Carla é aliada de Cabral, foi peça fundamental para massacrar os produtores rurais a serviço de Eike Batista no porto do Açu. Um dos amigos mais chegados a Jorge Picciani e seu sócio, Hugo Aquino, é o homem mais rico da cidade e tem grandes negócios com as prefeitura de São João da Barra e outras ligadas ao grupo do PMDB estadual. Recentemente o TRE a condenou, mas a deixando no cargo até o final de seu mandato, afinal o dono do Conhaque de Alcatrão de São João da Barra tem indicações no TRE, gente que prende inocentes e protege corruptos.
Essa é a justiça do Rio onde a balança pesa sempre para o lado que servir a Zveiter, o homem de Cabral no Judiciário. Aquele que chamava Adriana, mulher de Cabral, de madrinha do judiciário estadual.
Garotinho está pagando a conta de ter denunciado os bandidos. Que vergonha esse nosso estado.

Rosinha Garotinho