Reprodução do Diário do Poder
Reprodução do Diário do Poder
Entra governo, sai governo, com crise ou sem crise, os bancos no Brasil continuam lucrando cada vez mais. Enquanto mais de 20 milhões de brasileiros estão desempregados, muito mais que os 13 milhões apontados nas estatística oficiais, empresários fecham negócios, mais de 60 milhões de brasileiros estão com dívidas na praça, os bancos seguem contabilizando lucros bilionários. Só os três maiores bancos, Itaú, Bradesco e Santander, tiveram lucro líquido acima de R$ 13 bilhões, isso só no terceiro trimestre. E agora querem eleger o sucessor de Temer, mas antes sonham com a aprovação de alguma coisa da reforma da Previdência para faturar mais. Isto é o Brasil!

Comentários

03/11/2017

04:06

Roni Azevedo - Rio de Janeiro

É uma Nação de Reis e Ratos! Aonde o pobre não tem vez!

03/11/2017

09:37

carioca - rio de janeiro

Poderiam também anunciar junto com os lucros o quanto pagaram diretamente de impostos federais

04/11/2017

01:04

rcabral - Rio de Janeiro

Garotinho, O principal problema do país é a escassez de poupança, quem tem dinheiro para emprestar ao governo através dos bancos e mercado financeiro, cobra muito caro. Veja só a caderneta de poupança, com o rendimento que tem seria um ativo financeiro atrativo em qualquer lugar do mundo, no Brasil é considerado um investimento ruim, só para quem não tem acesso a melhores produtos, quem tem mais dinheiro exige rendimentos maiores. E o governo ainda pega a pouca poupança disponível e ao invés de financiar sua própria dívida, subsidia aos mais ricos através do BNDS, CEF, e outras agências de fomento, ou seja, o governo transfere renda de duas formas para os mais ricos, aqueles que detêm a maior parte da riqueza do pais; diretamente via juros da sua dívida e através de empréstimos subsidiados. O governo pega dinheiro no mercado pela Selic e empresta pela TJLP, ou seja transferência de renda na veia dos mais ricos. Os bancos são só os atravessadores desta política, e é claro os donos dos bancos também são beneficiários desta política financeira. O primeiro passo para sair desta situação seria alongar o perfil da dívida, o que depende de um governo austero e da venda de ativos do governo para financiar a substituição dos títulos da dívida pública, ao mesmo tempo em que se reformula as políticas de financiamento do governo ao setor privado, progressivamente transferindo o grosso do financiamento às empresas privadas para os bancos privados. O governo atuaria de forma muito pontual e com objetivos bem específicos e transparentes em setores estratégicos.

06/11/2017

12:53

Francisco - Brasil

Crise no país é só para o povo trabalhador brasileiro, banqueiros estão cada vez mais ricos, infelizmente.