Todo o país vem acompanhando as denúncias do Blog, que vem desmascarando os esquemas que levaram o Estado do Rio de Janeiro à falência. Em diversas oportunidades o Ministério Público Federal utiliza este blog como fonte das denúncias, como recentemente ocorreu na Operação Cadeia Velha que levou o Presidente da Alerj, o Deputado Estadual Jorge Picciani, acusado de receber milhões de reais em propina e com esses recursos chefiar organização criminosa no Legislativo Estadual.

Saibam todos que o Juiz Glaucenir Silva de Oliveira responde hoje a um processo junto ao Órgão Especial (0060795-11.2016.8.19.0000) decorrente de notícia crime apresentada pelo ex-Governador Garotinho junto ao referido órgão jurisdicional

Clique aqui e leia na íntegra

O Juiz Glaucenir acusou Garotinho de tentar suborná-lo em 2016. Como consta da notícia crime, o Juiz não prendeu em flagrante nenhum dos supostos proponentes da aludida oferta.

O Juiz Glaucenir é o mesmo que determinou a remoção do Garotinho do Hospital Souza Aguiar, no fim do ano de 2016, contrariando orientação médica. Esta decisão foi imediatamente revista pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Clique aqui e leia a matéria na íntegra

É evidente que o Juiz Glaucenir deveria se declarar impedido para atuar em casos em que seja parte o ex-Governador Garotinho.

Clique aqui e leia a matéria na íntegra

Garotinho está certo que esta nova decisão vai ser revista em instância superior, e que não conseguirão calar a voz de quem tem compromisso com a verdade.

Nota repassada pela defesa de Garotinho

Postado pela Equipe Garotinho

Comentários

26/11/2017

08:36

HELIO R MACHADO - CARAPEBUS RJ

AUTORIA E MATERIALIDADE Assim como as pistas deixadas por um criminoso após a pratica de um crime. A Secretária de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro tem muito que explicar. Vejamos: O Ministério Público (MP) abriu inquérito, para investigar a instalação de um equipamento de home theater na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica. No local estão presos o ex-governador Sérgio Cabral e outros condenados na Operação Lava Jato no estado. O equipamento é composto de televisão de tela grande, caixas de som e aparelho de DVD e funciona como uma espécie de sala de cinema. O equipamento seria uma doação da Igreja Batista do Méier, segundo Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) . No entanto, a instituição esclareceu em nota que não autorizou doação de aparelho eletrônico a qualquer complexo penitenciário. “A Igreja tem por hábito rejeitar quaisquer ofertas, doações e legados, quando estes tenham origem, natureza ou finalidade que colidam com os princípios éticos e cristãos exarados na Bíblia Sagrada”, destacou a igreja em nota ( fonte G1) Recentemente: Camarão, bacalhau, queijo de cabra e presunto importado. O Ministério Público fluminense apreendeu nesta sexta-feira (24) alimentos proibidos na cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, na Zona Norte. Lá estão presos os ex-governadores Antonhy Garotinho e Sérgio Cabral, além do presidente afastado da Assembleia Legislativa, Jorge Picciani, e os deputados também afastados Paulo Melo e Edson Albertassi, do PMDB. Ocorre que na cela que o ex Governador Gorotinho estava, não encontraram absolutamente nada de regalia somente duas frutas. Nunca votei em garotinho, mais passei a admira-lo o tamanho da corregem em denunciar a maior quadrilha organizada do meu querido Estado do Rio de Janeiro. Durante toda a minha vida e como estudioso de Direito, sempre coloquei o pensamento comum sobrepondo o pensamento individual. Hoje é perceptível que um mecanismo, parte dos tentáculos desta organização criminosa, tenta de todas as formas demonizar Garotinho. Mais tudo o processo que levou garotinho a prisão é coberto de dúvidas, Vejamos: A primeira prisão decretada por um juiz que deveria se declarar impedido. Foi denunciado por Garotinho antes da formação do processo. A segunda prisão decretada pelo mesmo juiz que deveria se declarar impedido pelo mesmo motivo. Não quero adentrar no mérito dos Motivos relatados na denúncia do MP e decisão que justificaram a prisão. No entanto não é justo que uma juiz processado pelo Garotinho junto ao Órgão Especial, processo nº (0060795-11.2016.8.19.0000) determine que o Garotinho vá direto para onde estar os seus principais inimigos, jogou no covil dos lobos. Recentemente mais um episódio: Na madrugada do dia 24 de novembro. Na cadéia pública José Frederico Marques, em Benfica, na Zona Norte do Rio, garotinho afirma que foi espancado. Alguém em sã consciência acha de alguma forma que as imagens mostrariam alguma coisa do acontecido. O vácuo na gravação é o mesmo vácuo que permitiu a entrada de equipamento de home theater, bem como Camarão, bacalhau, queijo de cabra e presunto importado. Quando a Secretária de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro vai punir estes detentos ( com a palavra o governador Pesão). Tudo para quadrilha estava muito redondinho até que apareceu o Garotinho - Uma pedra, no meio do caminho. Carlos Drummund de Andrade. No meio do caminho tinha uma pedra Tinha uma pedra no meio do caminho Tinha uma pedra No meio do caminho tinha uma pedra Sem uma justiça mais alta que as coroas dos reis e tão pura quanto as coroas dos santos o Estado do Rio de Janeiro vai continuar definhado. Estamos vivendo um estado de exceção. Direitos e garantias são violados sem nenhum respeito a nossa Constituição. Acorda Rio de Janeiro. Acorda Brasil.

26/11/2017

08:48

ivanildo costa - recife

Casal garotinho; a vitoria será certa. Não tenho duvida que vocês estão com a verdade, e a verdade é cristo. quanto mais o inimigo bater, mais vocês ficam fortalecidos.

27/11/2017

12:12

Eleitor - Nova Iguaçu - RJ

Eterno governador Anthony William Matheus de Oliveira isso mesmo vá em frente com o processo contra o juiz eleitoral de Campos dos Goytacazes. É preciso punir juiz eleitoral que persegue politico que caminha ao lado do povo na rua, punir juiz eleitoral que persegue candidatos a prefeito, punir juiz eleitoral que persegue pré-candidato...

27/11/2017

10:54

Adriano - Grajaú

O Estado do Rio de Janeiro se transformou mesmo em uma "terra sem lei", numa espécie de Regime Jurídico Diferenciado. Neste território, não existe Ministério Público e, muito pior, parece não incidir nem a Constituição Federal, tampouco o Código de Processo Penal. Como é possível um juiz processado criminalmente por alguém, mandar prendê-lo em outro processo?! Há notório impedimento. Onde foram parar as garantias do juiz natural, da imparcialidade e do devido processo legal?! Que tipo de justiça é essa?!

27/11/2017

11:47

Macedo - Rio de Janeio

Olha vi ontem na TV globo no programa "fantástico uma reportagem que exibe de forma irresponsável os presos em Benfica. Não posso conceber como o MP pode ceder suas imagens para humilhar e degradar os presos que lá estão. Não é concebível tamanha irresponsabilidade do MP em expor independente de que esteja lá preso.

27/11/2017

06:24

Gilberto Barros - S.G

Por que vocês acham que não houver ainda comentários sobre o assunto muito grave (abaixo), saindo da boca do responsável pelo jornal O Globo, do ex-prefeito Eduardo Paes, do governador Pezão e nem do Juiz eleitoral de Campos? https://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/266493/Garotinho-%E2%80%9CO-Globo-recebeu-R$-2-bilh%C3%B5es-do-Cabral%E2%80%9D.htm

27/11/2017

10:30

Paulo Cesar Rosa - Rio de Janeiro

O juiz Ricardo Coimbra, da 76ª Zona Eleitoral de Campos, determinou a retirada da tornozeleira eletrônica do vereador Thiago Ferrugem (PR), além das demais medidas restritivas contra ele e também contra o vereador Roberto Pinto (PTC), do parlamentar afastado Vinícius Madureira (PRP) e da suplente Cecília Ribeiro Gomes (PT do B). A decisão saiu nesta segunda-feira (27) após a realização da audiência com testemunhas de acusação na ação penal em que os políticos são réus no âmbito da operação Chequinho, acusados de participação no “escandaloso esquema” de troca de votos por Cheque Cidadão na última eleição municipal. Um dos momentos mais tensos da sessão foi quando uma das testemunhas afirmou que o delegado da Polícia Federal Paulo Cassiano mentiu ao redigir seu depoimento durante as investigações. De acordo com a testemunha, que mora no Parque Califórnia, o delegado teria chegado de bermuda no trabalho dele, mas não teria se identificado e nem dito os direitos a um advogado ou a permanecer em silêncio, mas que ele sabia que se tratava de Cassiano por ter visto na televisão. Esta testemunha ainda disse que não leu o depoimento por escrito e que uma irmã dele teria lido e o alertado sobre o nome de Madureira no documento, uma vez que ele não teria falado. No entanto, na sequência, a irmã dele relatou na audiência que não leu o documento no dia da abordagem da PF. Outras testemunhas também começaram o depoimento dizendo estranhar a forma como o delegado estava vestido, gerando o questionamento por parte do juiz se alguém estava orientando os testemunhos. Os ânimos ficaram mais quentes e houve embates entre os advogados dos réus, a promotora do Ministério Público e o juiz Ricardo Coimbra. Já a coordenadora do Centro de Referência da Assistência Social (Cras) da Penha relatou que houve uma reunião na casa de Cecília Ribeiro Gomes, então candidata à reeleição na Câmara Municipal, para que ela, a coordenadora, parasse de questionar a então secretária de Desenvolvimento Humano e Social, Ana Alice Alvarenga, e a ex-coordenadora do Cheque Cidadão Gisele Koch sobre o surgimento de pessoas sem perfil social de vulnerabilidade que estavam recebendo o benefício. Uma nova audiência com as testemunhas de defesa foi marcada para o dia 23 de janeiro. Além da tornozeleira de Ferrugem, foi revogada a proibição de manter contato com os demais réus e testemunhas do caso, e de se ausentar de Campos por mais de oito dias sem autorização prévia da Justiça. O advogado Carlos Azeredo, que também representa o ex-governador Anthony Garotinho, e neste caso defende Cecília e Madureira, requereu que Paulo Cassiano fosse intimado para prestar depoimento, mas Coimbra rejeitou sob o argumento de que o nome do delegado está no processo desde o início e não foi requisitado seu testemunho anteriormente. No entanto, a defesa extraiu os depoimentos para representar contra o delegado. A equipe de reportagem entrou em contato com Paulo Cassiano, que preferiu não se manifestar.

28/11/2017

11:08

Abel - Curiosidade nas eleições passadas no interior fluminense

Será que aquele juiz de Campos interferiu nos resultados das apurações eletrônicas a favor de candidatos a vereador e prefeito do PMDB?