O que estamos vendo nas ruas do Rio - violência sem limites; hospitais desabastecidos, que tem provocado sucessivas mortes que poderiam ser evitadas; ainda escolas, universidades, a rede de proteção social, tudo destruído - não é fruto do acaso. Com grupo de técnicos analisamos todos os números do estado nos últimos 10 anos.
É verdade que a corrupção de Cabral/Pezão transferiu milhões de dinheiro público para negócios escusos.
Mas não é só isso. Avaliamos o comportamento das instituições de fiscalização e controle, o judiciário, a omissão do Ministério Público estadual, a conivência de grande parte da mídia, que chamava o desmonte do estado de "choque de gestão". A recuperação do nosso Rio de Janeiro dependerá de uma forte engenharia econômica, mas principalmente de uma autocrítica dos setores que, por diferentes motivos, ou se calaram ou se aliaram ao maior desastre administrativo que o estado já viveu.

A situação é complexa, mas tem jeito. Após o carnaval divulgaremos vários estudos, tabelas da situação atual, números relativos ao endividamento de curto e logo prazo e as alternativas para o estado voltar a crescer e funcionar.

Espero que você leia, aprimore as sugestões e acredite: Não é simples e nem fácil. Mas é possível fazer o nosso Estado retomar o caminho certo e a nossa gente voltar a ser feliz.

ANTHONY GAROTINHO