O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco foi o principal articulador da intervenção militar na segurança pública do Rio. Ele também, como já mostrei aqui no blog, trama a tomada do MDB-RJ, só aguarda a decisão do STF sobre o pedido de habeas corpus de Jorge Picciani. Caso Picciani não se livre da prisão, Moreira vai destronar os clãs Picciani e Cabral, lembrando que o atual presidente interino do MDB-RJ é o filho do ex-governador, o deputado Marco Antônio Cabral.

No fundo, no fundo, Moreira está em busca de foro privilegiado e vai sair candidato pelo Rio de Janeiro, que já governou entre 1987 e 1991. Moreira quer surfar na onda da intervenção. Deve disputar uma vaga de deputado federal, mas já anda falando no Senado, caso a intervenção no Rio seja um sucesso.

Não custa lembrar que Moreira Franco, entre outras coisas, é acusado de ter recebido propina de R$ 3 milhões da Odebrecht, além de esquemas na Caixa Econômica Federal, onde foi vice-presidente de Loterias.

É o gato angorá, como o chamava Brizola, por causa da cabeleira grisalha, e porque, segundo o grande líder trabalhista, Moreira "pulava de colo em colo". No momento o gato angorá está fazendo piruetas, só deve tomar cuidado na hora em que subir no telhado da Lava Jato.