Reprodução da Folha de S.Paulo
Reprodução da Folha de S.Paulo

Por mais que negue, todos sabem que Michel Temer sempre sonhou em ser candidato à reeleição, desde o dia em que sentou na cadeira de Dilma Rousseff interinamente, enquanto se desenrolava o processo de impeachment.

Mesmo com seus 6% de aprovação, o pior índice de um presidente da República, Temer nunca desistiu de pensar na reeleição.

Contava com a aprovação da reforma da Previdência para ganhar o apoio do mercado e fazer o país vencer a crise econômica. Não conseguiu seu intento, mas arrumou uma nova bandeira, a única que rivaliza com a economia, que é a segurança pública, afinal os brasileiros do Oiapoque ao Chuí não suportam mais a violência que tomou conta das ruas, invade as casas e acabou com a paz das famílias.

A intervenção na segurança pública do Rio é a última bala na agulha de Temer, mas se acertar o alvo, mesmo que não seja na mosca, será o suficiente para Temer se lançar em uma aventura em busca da reeleição.