Dos 11 deputados federais do MDB-RJ, a janela de trocas partidárias pode resumir a bancada aos representantes de dois clãs: Marco Antônio Cabral e Leonardo Picciani. No máximo pode ficar mais um, sem contar o deputado Celso Jacob que cumpre prisão semiaberta na Papuda, em Brasília e está afastado do mandato.

E na ALERJ dos 16 deputados que hoje o MDB tem, sendo que três estão presos, Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, com muito esforço sobrará metade.

E não custa lembrar que Jorge Picciani e seu filho Felipe estão presos por acusação de lavagem de dinheiro na Agrobilara (agropecuária). Os irmãos Leonardo Picciani (Deputado Federal) e Rafael Picciani (Deputado Estadual) são sócios da mesma empresa, por isso, em breve podem ter o mesmo destino.

Vamos ver o que vai sobrar das bancadas estadual e federal do MDB-RJ.