A maioria dos ministros da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) já votou contra conceder liberdade ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde o mês passado. O ministro Celso de Mello tem até esta sexta para se manifestar no plenário virtual, ambiente em que os ministros votam remotamente.

Se Celso de Mello fizer um pedido de vista, o caso passa a ser discutido pelos ministros de forma presencial. Caso o ministro não apresente seu voto até o fim do prazo, é considerado que ele seguiu o relator, o ministro Edson Fachin, contrário a aceitação do pedido de Lula.

Dos outros três ministros que votaram, todos seguiram o voto do relator pela rejeição do pedido. Nesta quarta, o ministro Ricardo Lewandowski seguiu o ministro Fachin com ressalvas. Antes, os ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes já haviam votado contra o recurso.

Os advogados pedem que Lula possa aguardar em liberdade até o fim dos recursos judiciais possíveis.