Pelo 5º dia seguido, caminhoneiros fazem manifestações em 23 estados e no Distrito Federal. Os atos desta sexta-feira dão continuidade à mobilização contra a disparada do preço do diesel, que faz parte da política de preços da Petrobrás em vigor desde julho de 2017.

O presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes, disse que a paralisação só será suspensa quando a decisão de zerar a alíquota do PIS-Cofins virar lei.
Para isso, o projeto que foi aprovado na Câmara precisa passar pelo Senado e ser sancionado por Michel Temer.

Sem caminhões para entregas, vários setores comerciais e profissionais, inclusive o hospitalar, também estão sem suprimentos e cirurgias foram canceladas.