O Gabinete de Intervenção Federal ainda não usou o R$ 1,2 bilhão que o governo federal destinou, em março, para a segurança pública no Rio de Janeiro. A burocracia obrigou o gabinete a criar uma secretaria administrativa na estrutura da intervenção para gerenciar a verba.

Em 100 dias, o interventor, o general Walter Braga Netto contou com doações de armas e munições por empresários e com a estrutura das Forças Armadas para treinar policiais e recuperar viaturas da Polícia Militar.

Ao mesmo tempo em que atua sem dinheiro, o Gabinete de Intervenção Federal se depara com o aumento da violência.