Pezão foi ouvido nesta segunda-feira, em audiência no Tribunal Regional Federal da 2ª Região, no processo da Operação Cadeia Velha que prendeu Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi.

Convocado pela defesa de Paulo Melo, o governador negou ter conhecimento sobre o correligionário de seu partido ter recebido "benefício pessoal", favorecimento do setor de transportes ou mesmo que tenha sido procurado por empresas. Em três minutos e 50 segundos, Pezão respondeu apenas "não" à maioria das perguntas, negando ter conhecimento de qualquer conduta ilegal do deputado.

Na primeira das duas únicas perguntas em que se estendeu, Pezão elogiou Melo, classificou o deputado como "pessoa competente" e disse que, "para uma pessoa que só tem ensino primário", impressionava o conhecimento que Melo tem sobre os procedimentos legislativos e o regimento da Assembleia Legislativa. Essa pergunta foi formulada pela defesa do deputado.