A Polícia Federal pediu a quebra do sigilo telefônico do presidente Michel Temer e dos seus ministros mais próximos: Eliseu Padilha, da Casa Civil e Moreira Franco, das Minas e Energia. A solicitação, feita ao Supremo Tribunal Federal é referente ao ano de 2014.

O objetivo é investigar um suposto pagamento de R$ 10 milhões que teria sido feito pela Odebrecht e acertado no Palácio do Jaburu, residência oficial de Temer, naquele ano. A Polícia Federal busca rastrear telefonemas feitos entre eles nas datas próximas das entregas de dinheiro em espécie relatadas pelos delatores da empreiteira.

Esta é mais uma investigação aberta contra o presidente, que é alvo de um inquérito em andamento por suspeita de ter editado um decreto que modificou regras do setor portuário, sob relatoria do ministro do STF Luís Roberto Barroso. Outros inquéritos contra o presidente que levaram a PGR a denunciá-lo por duas vezes estão suspensos após decisão da Câmara dos Deputados de barrar o prosseguimento até que Temer deixe o mandato presidencial.