O ex-secretário de Obras na gestão do ex-prefeito Eduardo Paes, Alexandre Pinto, será interrogado nesta segunda-feira como réu da Operação Mãos à Obra, desdobramento da Operação Rio 40°C, parte da Lava Jato fluminense.

A investigação é sobre um esquema de propinas envolvendo obras do BRT Transbrasil, corredor exclusivo de ônibus articulado ligando o Centro ao bairro de Deodoro, com custo previsto de R$ 1,4 bilhão. Segundo os investigadores, o esquema de propina era comandado por Alexandre Pinto, e foram identificadas remessas ilegais de recursos ao exterior.

Pinto já havia sido preso durante a investigação Rio 40ºC, que apura desvios de R$ 35,5 milhões. De acordo com a denúncia, foram pagas propinas em obras do BRT Transbrasil, Linha Vermelha, Asfalto Liso, Transoeste, Maracanã, Transcarioca e na recuperação das bacias de Jacarepaguá e da Barra.

Em março, Eduardo Paes depôs como testemunha de defesa no processo. O ex-prefeito declarou que nunca soube nada contra seu subordinado nem contra qualquer funcionário da prefeitura.