A Justiça do Rio começou, nesta terça-feira, o julgamento de Sérgio Cabral e Adriana Ancelmo pelo uso indevido de helicópteros da frota do governo do estado para fins particulares. No tempo em que Cabral foi governador, foram feitos quase 2.300 voos particulares, a maioria deles para a casa do ex-governador em Mangaratiba.

Segundo o Ministério Público, uso indevido da aeronave causou um prejuízo aos cofres públicos de R$ 19,9 milhões.

Na primeira audiência foram ouvidas as primeiras sete testemunhas de acusação. Cabral e Adriana Ancelmo não foram à audiência. Eles pediram autorização do juiz para não comparecer.