O processo de cassação a que Celso Jacob responde por quebra de decoro parlamentar será votado pelo Conselho de Ética da Câmara na próxima quarta-feira.

O deputado do MDB fluminense, que cumpre pena por falsificação de documentos públicos e dispensa de licitação, ficou conhecido como "deputado presidiário" por trabalhar na Câmara durante o dia e ter que se apresentar no Centro de Detenção Provisória da Papuda à noite e por ter sido flagrado com dois pacotes de biscoito e um de queijo provolone dentro da calça ao retornar para a cadeia.

Celso Jacob foi condenado em um processo em que foi acusado de irregularidades em licitações realizadas quando ele era prefeito da cidade de Três Rios. Desde o mês passado, por autorização do juiz Fernando Messere, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, cumpre pena em regime aberto.