A Polícia Federal investiga denúncia de que duas empresas teriam sido usadas por Aécio Neves para desviar verbas para campanhas durante sua gestão no governo de Minas Gerais.

Segundo a acusação, os desvios teriam ocorrido durante a construção da Cidade Administrativa em Belo Horizonte, entre 2008 e 2010. A sede do governo foi orçada em R$ 900 milhões, mas o Tribunal de Contas do Estado afirmou que a obra passou de R$ 1,8 bilhão.

Em delação premiada, no fim de 2016, o ex-diretor superintendente da Odebrecht em Minas Gerais, Sérgio Neves, denunciou um esquema de desvio de dinheiro. Segundo o delator, o então presidente da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais, Oswaldo Borges, determinou que 3% de um contrato com as empresas Odebrecht, Queiroz Galvão e a OAS iriam para Aécio Neves para futuras campanhas políticas. O contrato era de R$ 360 milhões.

Além disso, afirmou que o tucano determinou que a construtora deveria contratar duas empresas locais: a Cowan e a Alicerce. O delator disse que elas foram subcontratadas, mas para não fazer nada.

Comentários

17/07/2018

04:35

Igor - Rio de Janeiro - RJ

Em qualquer lugar meridianamente sério, Aécio Neves já estaria preso há muito tempo fazendo companhia ao seu amigo do peito Sérgio Cabral.

05/08/2018

08:27

Eleitor - RJ

Depois da entrevista que o senhor concedeu ao Conjur, agora eu tenho certeza que o senhor tem que ser candidato ao SENADO. Tem que ter paciência, PACIÊNCIA não é covardia, é virtude. Você não pode arriscar a perder uma eleição, tem que se fortalecer e se tornar Senador. Quem avisa amigo é. Cabral e Pezão são fichinhas comparados com a periculosidade de Eduardo Paes, que nunca foi seu aliado. Há tempo de plantar e tempo de colher. Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu. Eclesiastes 3:1