Após descobrir que o ex-diretor da Dersa, Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, movimentou R$ 113 milhões em contas bancárias na Suíça, o MPF de São Paulo aguarda informações das autoridades das Bahamas para saber se o dinheiro foi parar lá.

Os promotores pediram a cooperação internacional com o país da América Central no final de março.

A suspeita é que os valores sejam repasses ilegais feitos a Paulo Preto, apontado como operador do PSDB.