Luiz Estevão é suspeito de ter doado um imóvel para um dos agentes da Penitenciária da Papuda em troca de privilégios. Foi o que afirmou a juíza Leila Cury na decisão desta quinta-feira, que mandou o ex-senador para a ala de segurança máxima.

Segundo a juíza da Vara de Execuções Penais (VEP), o caso começou com denúncia anônima no fim de 2016 e terminou com o indiciamento de Estevão por corrupção passiva, passando pela queda da cúpula do Centro de Detenção Provisória da Papuda.

No começo de 2017, Leila determinou vistoria na cela do ex-senador, onde foram encontrados “diversos itens proibidos, tais como cafeteira, cápsulas de café, chocolate, massa importada, dentre outros”. A punição para Estevão, hoje presidente do PRTB no Distrito Federal, foi de dez dias de isolamento.