A OAB está requerendo o contrato entre o escritório de advocacia da Primeira-Dama do Estado, Adriana Ancelmo e o Metrô Rio para ser analisado pela sua Comissão de Ética. Como bem frisa um jurista na matéria de O GLOBO, reproduzida abaixo, o que está em jogo “é o princípio da moralidade pública”.

Já o deputado Alessandro Molon, do PT vai pedir a abertura de uma CPI na ALERJ para apurar esse envolvimento da mulher de Sérgio Cabral com o Metrô Rio, quando paralelamente o próprio governador decide prorrogar a concessão da empresa por mais 20 anos.

Não acredito que essa CPI prospere. Até agora, não houve nenhuma manifestação do Ministério Público. Ontem, o governador Sérgio Cabral, que por acaso estava no Rio, se recusou a falar sobre o assunto.


Comentários