O prefeito do Rio segue mesmo os passos errados do seu “padrinho” Sérgio Cabral, que com 10 anos de antecedência prorrogou o contrato do Metrô, por mais 20 anos e vai assinar a prorrogação por mais 25 anos da concessão da SUPERVIA, quando ainda faltam 13 anos para o fim do prazo.

O contrato da concessão da Linha Amarela inaugurada em 1997, só vence em 2022. Faltam 12 anos, mas Paes resolveu ser generoso com a concessionária e decidiu prorrogar o contrato por mais 15 anos, até 2037. Por que tanta pressa?

A justificativa do prefeito é simplesmente ridícula, é que a Linha Amarela é uma via crucial para a Copa e as Olimpíadas. Bem, as Olimpíadas serão em 2016, o contrato atual só expira em 2022, seis anos depois das Olimpíadas, logo esse não pode ser o motivo. Ninguém é burro para não saber fazer essa simples conta do tempo.

Pelo menos, no caso da Linha Amarela, a concessionária terá que fazer investimentos de R$ 241,5 milhões. No caso do METRÔ e da SUPERVIA, Cabral dá tudo “de mão beijada”. Quanta generosidade!

Mas se colocarmos na ponta do lápis é um “negócio da China” para a concessionária, a LAMSA. Nos primeiros 25 anos não teve arcar com nenhum investimento. Por mais 15 anos vai gastar R$ 241,5 milhões na construção de dois viadutos e na drenagem da via, que nem sabemos se custará mesmo esse valor.

Mas vamos à aritmética. Por dia, segundo a concessionária, 125 mil veículos pagam pedágio. Como o carro de passeio paga R$ 4. Por dia dá R$ 500 mil. Se colocarmos pela arrecadação de hoje, nos 40 anos do contrato, já com a prorrogação, a LAMSA deve arrecadar por baixo R$ 7,3 bilhões. No final vai investir 3,3% do total arrecadado, isso se as obras custarem mesmo os R$ 241,5 milhões anunciados e se não aumentar o fluxo de carros. É ou não é um negócio fantástico?

Comentários

08/01/2016

01:45

FERNANDO ANDRADE AZEVEDO - RIO DE JANEIRO

Peço o favor, informar onde encontro o texto da LEI/DECRETO/ORIENTAÇÃO que orienta/obriga as concessionárias de pedágio(LAMSA), abrir as cancelas em caso de trafego/engarrafamento próximo ao pátio das cabines de pedágio com distancia superior a 300 metros.