Eike posando ao lado do Mercedes - Maclaren que decora a sala da sua casa; abaixo nota do jornal O Dia
Eike posando ao lado do Mercedes - Maclaren que decora a sala da sua casa; abaixo nota do jornal O Dia



Só acreditaria nisso se ouvisse da própria boca de Eike Batista. Não tem a menor lógica, e não me refiro à questão política, mas sim ao mundo dos negócios onde Eike transita. Embora ainda tenha mais de US$ 10 bilhões e seja o quarto mais rico do Brasil, Eike vive um momento difícil. Está de pires na mão pedindo US$ 1 bilhão do BNDES, além disso depende mais do que nunca da PETROBRAS para salvar o Complexo do Açu. Ou seja depende do governo Dilma, que vai ser candidata à reeleição. Eike lançando-se candidato a presidente sabe que o governo passaria a tratá-lo como adversário político. Além do mais os investidores ficariam temerosos. Podem estar certos que seria Eike se lançar candidato para suas ações despencarem. Se já anda descapitalizado a ponto de ter que vender uma parte da Marina da Glória para ter recursos para as obras que pretende fazer imaginem num quadro como esse que tracei. Eike pode ser tudo menos burro, não iria se meter numa aventura como essa.