Esse período de transição de governo nas cidades do Brasil não tem sido fácil para a maioria dos prefeitos. No estado do Rio de Janeiro, algumas cidades não pagaram ainda o salário de novembro, a maioria não pagou 13º salário e nem dezembro. A situação é dramática. Felizmente, Campos vai ser entregue ao próximo prefeito com os salários em dia, mês de dezembro já pago, 13º integralmente quitado, todos os programas sociais pagos, dentre eles o Cheque Cidadão e a passagem a 1 real, competência do mês de dezembro, 90% das obras prontas e inauguradas e finanças equilibradas. Embora a mídia tente distorcer os fatos, a experiência de Rosinha como ex-governadora foi fundamental para Campos atravessar o momento difícil que o país está vivendo, agravado pelo desgoverno do estado.

Agora mesmo acabei de receber fotos da prefeita Rosinha de caminhões de medicamentos sendo entregues para abastecer os hospitais e os postos de saúde de emergência da virada do ano. Rosinha também está deixando recursos para o próximo prefeito quitar no dia 5 de janeiro o pagamento dos RPAs da prefeitura. O dinheiro ficará empenhado para evitar que ele seja desviado para outra finalidade. A prefeita também determinou que todos os programas com recursos federais tenham suas contas regularizadas com os órgãos competentes para evitar qualquer transtorno ou dúvida para os próximos gestores.



Infelizmente, a equipe do próximo prefeito é inexperiente e pouco qualificada para enfrentar o ano mais difícil da história do Brasil recente, que será 2017. As previsões são de aumento de desemprego, atualmente 11,6% para 13%, queda da atividade econômica e redução do PIB e ainda mais desequilíbrio nas contas estaduais. No cenário econômico, as notícias boas para Campos são: o aumento do preço do petróleo, que já está próximo de 60 dólares o barril, quando este chegou a alcançar 27 dólares no ápice da crise; e a nova determinação do STF de sobre um novo modo de calcular o valor dos royalties do petróleo, que pode dar ao município de Campos uma receita adicional de mais 200 milhões por ano. Se a eleição não estivesse viciada pela fraude, poderíamos até admitir a presença de companheiros nossos que serviram ao nosso governo com lealdade e honestidade na administração que se aproxima.
Isso se tornou inviável à medida que o Sr. Rafael Diniz mente de todas as formas possíveis e imagináveis, direta e indiretamente, pelos meios de comunicação, como os jornais Folha da Manhã e Terceira Via, as rádios Campos Difusora e 97 FM, além de uma dezena de blogueiros ávidos por dinheiro.

A decisão que tomamos ontem, após uma longa reflexão, junto com a prefeita Rosinha e que tornamos pública nesse momento é a seguinte: todas as pessoas são livres para escolherem os seus caminhos mas devem fazê-los de forma consciente e responsável, arcando com as devidas consequências. O governo que se desenha para os próximos dias em Campos com Rafael Diniz é muito parecido com a dupla Cabral/Pezão, focado no patrimonialismo, sem projeto para a cidade e fortemente sustentado pela mídia. Não é preciso dizer qual foi o resultado no estado. Todos já sabem. Por isso, aqueles que serviram em cargo de confiança em nosso governo, fiquem desde já ciente que não contam com a nossa aprovação e que numa provável eleição em maio de 2017, infelizmente estaremos em lados opostos. Sendo mais claro e objetivo: quem ocupou cargo de confiança no governo Rosinha e vier a fazê-lo agora no governo Rafael Diniz estará concordando com as críticas mentirosas que ele fez ao nosso governo, e por isso, se afastando do nosso grupo político.