Quando concluímos a implantação do programa Delegacia Legal, que modernizou a Polícia Civil do Rio de Janeiro dando-lhe instalações modernas, banco de dados integrado, acabando com as carceragens, melhorando o sistema de atendimento à população e instrumentos capazes de aumentar a resolução dos crimes era só a primeira etapa de uma ampla reformulação na estrutura sistema de segurança do Estado. Também foi criada a secretaria de Administração Penitenciária, com a escola de agentes e construímos diversas casas de custódia e presídios no estado. Iniciamos a modernização da Polícia Militar com a construção de uma sede para o BOPE e deixamos pronto a versão para a PM da Delegacia Legal, que se chamaria Batalhão de Defesa Social.

Como vocês sabem os batalhões da PM estão colocados estrategicamente em todas as áreas importantes do estado. Na maioria dos casos são espaços amplos que ficam ociosos e uma boa parte é usado para burocracia interna. A ideia era uma adaptação para aproveitar os espaços ociosos dos batalhões para integrá-los à comunidade, programas sociais, principalmente para jovens, como o Reservistas da Paz, garotos que sobram do alistamento militar passariam o dia dentro do batalhão ou nas imediações fazendo a proximidade entre a comunidade e os policiais. Também seriam colocados nessas unidades defensores públicos, assistentes sociais, professores e animadores culturais para desenvolver uma integração da unidade policial com os moradores da área.

O programa que estava todo elaborado e pronto para ser implantado não saiu do papel com a vitória de Sérgio Cabral para o Governo do Estado. Vieram então as UPPs, uma cópia mal feita do que estava planejado, e pior, a modernização da Polícia Civil cessou, os investimentos no sistema prisional que estavam colocando muitos presos para trabalhar também acabaram.

O Rio regrediu muitos anos em políticas de segurança pública na era Cabral - Pezão. É uma pena, pois até mesmo o prêmio internacional conquistado pelo programa Delegacia Legal deixou de ser referência. Hoje o programa de modernização do aparelho de segurança do Estado foi abandonado e o que se vê são delegacias em prédios abandonados, batalhões sem efetivo e sem estrutura, viaturas alugadas para fazer negócios e policiais civis e militares, além de agentes penitenciários sem terem como trabalhar e sem salário.

A situação é terrível, mas ainda bem que há solução.