Reprodução do Extra
Reprodução do Extra

Mais uma da quadrilha de Cabral vai para Bangu. O agente fazendário Ary Ferreira da Costa Filho, da Receita estadual, que foi assessor especial do gabinete do Governador nos governos Sérgio Cabral e Pezão, só foi exonerado em dezembro passado é o novo alvo da Operação Calicute que chegou cedo a sua casa na Barra da Tijuca. O MPF e a PF chegaram a Aryzinho porque o empresário Adriano José Reis Martins, dono de uma rede de concessionárias de automóveis (Eurobarra, Dirija Niteroi, Barrafor, Americas Barra Rio, Disbarra, Klahn, Space Veiculos, Nova Yen Motors e Mitsumar Veiculos) fez delação premiada e contou ter repassado R$ 10 milhões a Sérgio Cabral entregues a Carlos Emanuel Miranda, o Avestruz. O grupo de Adriano se beneficiou de um esquema orquestrado por Aryzinho onde foi beneficiado com isenções fiscais e perdões de multas que atingiram R$ 1,3 bilhão. Finalmente estão chegando à farra das isenções fiscais e a Aryzinho, que os leitores do blog conhecem muito bem, inclusive acusado de ser mandante do assassinato de um babalorixá cubano, que namorou sua ex-esposa, caso revelado por nós, que mais tarde vamos relembrar. Por ser muito amigo de Cabral, Beltrame abafou a investigação sobre o assassinato.