Regis Fichtner e Tommaso Buscetta (mafioso italiano preso no Brasil)
Regis Fichtner e Tommaso Buscetta (mafioso italiano preso no Brasil)

O que se comenta nos bastidores da política e no meio jurídico é que Regis Fichtner, braço-direito de Cabral e seu ex-chefe da Casa Civil teria procurado o MPF e entregado tudo sobre seu ex-chefe e amigo. Os rumores são de que Regis não teria feito uma delação premiada, mas sim uma delação informal mostrando os caminhos da corrupção da quadrilha de Cabral, na qual dividia com Wilson Carlos (ex-secretário de Governo), hoje preso em Curitiba, o papel de nº 2.

Já mostrei aqui no blog o esquema milionário dos precatórios, comandado por ele, os negócios imobiliários, a rede de farmácias comprada por sua mulher, sem ter renda para tal, e outras armações.

Fichtner é amigo de Cabral desde que ele era deputado e foi seu suplente de senador, depois assumiu a Casa Civil do governo.

Será que ele traiu mesmo Cabral, depois te ter participado de tudo? Bem, na hora do desespero as pessoas fazem coisas que até Deus duvida.

Isso me lembra o caso daquele chefe da máfia italiana Tommaso Buscetta, que foi preso no Brasil e foi considerado o "primeiro mafioso arrependido". Capo da Cosa Nostra de Nova Iorque, Buscetta entregou os chefões da máfia em troca de perdão para seus crimes.

O fato é que, se essa versão que corre for confirmada, é um absurdo. Regis Fichtner não pode sair impune. Seria um escárnio com o povo do Rio de Janeiro.