Reprodução da Veja
Reprodução da Veja

O governo Temer basicamente é sustentado pelo PMDB e seus dois aliados PSDB e DEM. Claro que há outros partidos importantes, mas é elementar que a dupla PSDB - DEM são dois pilares fundamentais. Ambos os partidos tinham reuniões de suas lideranças marcadas para domingo, quando decidiriam se ficavam ou deixavam o governo. Temer conseguiu convencê-los a ficarem mais um pouco, pelo menos até quarta-feira, dia em que o STF analisaria o pedido de suspensão do inquérito que investiga o presidente. Nos bastidores alguns líderes importantes das duas siglas admitiam que uma vez o Supremo decidindo manter o inquérito seria a senha para desembarcarem do governo. Era o álibi que precisariam para dar as costas a Temer. Só que o quadro mudou.

A defesa de Temer desistiu de pedir a suspensão do inquérito autorizado pelo STF. Com isso na quarta-feira não haverá decisão do Supremo, logo o PSDB e o DEM não terão essa desculpa (no caso do inquérito ser mantido) para pularem fora do barco.

Temer segue derretendo. Hoje foi pego numa mentira ao tentar justificar o encontro com Joesley Batistas, aliás, um erro primário, como podem ver abaixo. Mas na quarta-feira acontecerá o "Ocupa Brasília" em que as centrais sindicais vão levar caravanas para a Praça dos Três Poderes para pressionar pela renúncia do presidente.

Resta saber se PSDB e DEM vão aceitar sangrar junto com Temer e permanecer no governo, enquanto ele se esvai.

Reprodução do Brasil 247
Reprodução do Brasil 247