Quando estourou o caso do pacote que o ministro Eliseu Padilha pediu a José Yunes, ex-assessor especial de Michel Temer, para receber de um emissário, e que depois foi apanhado pelo doleiro Lúcio Funaro, a Procuradoria Geral da República pediu abertura de inquérito, que hoje corre no STF. Michel Temer para não demitir Padilha veio com a história de que ministro que fosse denunciado pela PGR seria afastado temporariamente do cargo, e em caso de virar réu seria demitido.

Pois agora é o próprio Temer que está na berlinda. Na próxima semana, Rodrigo Janot deverá denunciar Temer ao Supremo Tribunal Federal. Pela lógica da "ética" de Temer, ele deveria se afastar do cargo temporariamente. Mas é claro que não terá essa grandeza. Vai dizer que isso só vale para ministros ou inventar mais uma lorota.