A revelação que, além de uma propina mensal, Cabral tinha um "prêmio" sempre que a tarifa de ônibus era reajustada, é uma bofetada na cara do povo, principalmente os mais pobres.

O agora presidiário Sérgio Cabral não se contentou em roubar para enriquecer. Suas irresponsabilidades deixaram os funcionários sem salários, escolas e hospitais sucateados, a segurança destruída e agora sabe-se que ainda recebia prêmio pelo sofrimento dos mais pobres.

Canalha é pouco para definir o ex-governador.