Não sei se vocês lembram, mas no final do ano passado as previsões do governo eram de que terminaríamos o primeiro semestre de 2017 com a economia crescendo, com empregos sendo gerados, enfim, com a crise sendo vista no retrovisor. Bem, já estamos no segundo semestre e nada disso aconteceu. Para um país que tem mais de 14 milhões de desempregados, segundo o IBGE, porque na realidade esse número passa de 20 milhões, em todo o primeiro semestre o saldo de empregos foi de 59 mil novos empregos. Mas nem isso dá para comemorar. Quase todos foram criados na agropecuária por conta da boa safra. No comércio, na construção civil e na indústria de transformação as demissões continuam acima das admissões. Logo essa história de geração de empregos é mais uma lorota do Palácio do Planalto.

E com a crise política e Michel Temer na base do "balança, mas não cai" aumentou ainda mais a incerteza e falta de confiança de empresários e investidores. 2017 está perdido. E se Temer conseguir se arrastar até o final do ano a situação vai piorar ainda mais.